Brasil Econômico

Pedro Guimarães, presidente da Caixa, faz balanço sobre o auxílio emergencial
Reprodução/TV Brasil
Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal, fez novo balanço sobre o auxílio emergencial neste sábado: R$ 60 bilhões já foram pagos

A Caixa Econômica Federal diz que já pagou R$ 60 bilhões em auxílio emergencial para trabalhadores informais e beneficiários do Bolsa Família impactados pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), informou o presidente do banco, Pedro Guimarães, em coletiva de imprensa virtual neste sábado (23). Ao todo foram realizados 85,5 milhões de pagamentos, para 55,1 milhões de pessoas, sendo que 30,4 milhões já receberam a segunda parcela. Ainda assim, quase 10 milhões de brasileiros ainda aguardam análise da Dataprev para saber se vão receber os R$ 600.

Leia também: Ainda não tem? Veja como emitir o cartão digital para usar o auxílio emergencial

"Nesta semana nós batemos um recorde: pagamos 35 milhões de brasileiros durante os seis dias", afirmou Guimarães. "Em dinheiro, foram 14,4 milhões de pessoas. Pagamos 4,8 milhões do último lote da parcela 1, que tiveram o cadastro aprovado por último. E da parcela 2, o começo dos beneficiários do Bolsa Família, com 9,6 milhões de pessoas", relatou o presidenta da Caixa, exaltando a importância do auxílio emergencial .

Mesmo com milhões brasileiros já beneficiados, outros tantos ainda sofrem e aguardam pelos R$ 600 emergenciais. Ao todo, 4,9 milhões trabalhadores estão em primeira análise e outros 4,8 milhões estão na etapa de reanálise, o que soma 9,7 milhões de possíveis novos beneficiários, segundo o próprio banco.

Para atender a demanda dos já aprovados, a Caixa abriu mais de 900 agências neste sábado, que atenderam 2,1 milhões de beneficiados pelo programa. Guimarães ressaltou que, apesar do volume de atendimentos, não foram registradas filas e aglomerações , como no início do pagamento da primeira parcela do auxílio. Segundo ele, as agências não têm filas há "no mínimo 3 semanas".

A organização dos pagamentos num calendário pré-definido é o principal motivo para a redução das filas, mas Guimarães também destacou a importância do pagamento por conta digital, que pode ser acessada por meio do aplicativo Caixa Tem . Quem recebeu a segunda parcela e não é beneficiário do Bolsa Família só poderá sacar e transferir os recursos a partir de 30 de maio; até lá, só é possível movimentar o dinheiro digitalmente, usando cartão de débito virtual, que já é aceito em supermercados em muitas partes do Brasi. Saiba como usá-lo .

"Na sexta-feira, dos 625 mil saques, 485 mil, 70%, foram realizados via cartão virtual. Isso mostra matematicamente que nós conseguimos que este aplicativo passe a ser relevante, tendo a maior parte dos saques, dos débitos, das compras...", ressaltou Guimarães. "Com isso, nós temos uma redução da necessidade de as pessoas irem às agências", celebrou.

Para Cláudio Salituro, vice-presidente de Tecnologia da Caixa, os números mostram uma mudança de comportamento dos clientes, que estão se adequando à tecnologia para as necessidades cotidianas de pagamentos.

"Há dois dias, as compras em débito estavam na casa das 127 mil. Hoje (sábado), já foram 484 mil", afirmou Salituro. "Isso comprova a mudança de hábito, o cidadão está mais confortável em utilizar o aplicativo. Ele está perdendo o medo, está aprendendo um novo modelo de fazer compras e pagar suas contas, sem a necessidade de usar o papel moeda", disse.

Leia também: Luta por auxílio expõe indígenas venezuelanos no Recife à fome e à Covid-19

Além do auxílio emergencial, destinado a informais, a Caixa já pagou R$ 2,1 bilhões de reais, a 2,1 milhões de trabalhadores incluídos no Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda, para trabalhadores com carteira assinada que tiveram salários e jornadas reduzidos ou contratos suspensos .

    Veja Também

      Mostrar mais