Ministro da Economia Paulo Guedes
Alan Santos/PR
Ministro da Economia Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes , disse em entrevista coletiva nesta quarta-feira (29) que não houve aborrecimento com o ministro-chefe da Casa Civil, general Braga Netto, em relação ao anúncio do programa Pró-Brasil na semana passada. Ao planejar o programa, o governo federal não contou com a presença de Guedes nem integrantes técnicos de sua pasta.

"Nosso relacionamento é o melhor possível, é transparente, é claro. Em nenhum momento eu me senti, como vocês devem ter ouvido, que eu estava aborrecido com o Braga Netto", disse.

Ao abrir a entrevista, o chefe da Casa Civil deu detalhes sobre como o programa Pró-Brasil foi formulado. Segundo, Braga Netto, o Pró-Brasil surgiu porque os minitros começaram a procurá-lo para apresentar programas para a retomada do crescimento e do investimento.

Leia também: Mais de 13 milhões de informais terão que refazer o cadastro online da Caixa

Ele reforçou, no entanto, que, em nenhum momento, o objetivo foi sair da programação do Ministério da Economia. "Quem dá esse caminho, exatamente a palavra final, é a Economia e quem decide é o presidente da República", afirmou.

Você viu?

Braga Netto também disse que o programa foi feito para melhorar a coordenação e evitar que os ministros, separadamente, recorressem ao Ministério da Economia para "brigar pelo seu espaço". "Eu sou só o espelho, eu só mostro a conta", emendou Paulo Guedes, reforçando o "perfeito entendimento" entre ele e Braga Netto.

O ministro da Economia comentou que a situação de calamidade pública "é um caso agudo de emergência fiscal", mas que o Brasil já tinha um protocolo de crise para ser implantado antes do início da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Leia também: STF tem maioria para manter MP que flexibiliza normas trabalhistas

Ele afirmou que, se tiver emergência fiscal, será preciso segurar salários, não pedir aumento por um tempo e descentralizar os recursos para estados e municípios. Guedes lembrou dos programas de auxílio que, segundo ele, teve como objetivo "preservar as camadas mais frágeis".

"Não estamos pedindo para sacrificar, mas para não dar aumentos", afirmou ao comentar o programa de auxílio aos estados.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários