Brasil Econômico

carteira de trabalho%2C emprego%2C clt
shutterstock
Afetados no Brasil são cerca de 15% de toda a mão de obra do País

Ao menos 5 milhões de trabalhadores com carteira assinada no Brasil já foram afetados desde o início da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). As mudanças no trabalho desses funcionários são suspensões de contratos e cortes de jornadas e salários ou até mesmo demissões.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil tinha 33,6 milhões de empregados no regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) em fevereiro. Isso siginifica dizer que os 5 milhões de empregados afetados pela crise de Covid-19 corresponde a quase 15% do total de trabalhadores formais no País.

Leia também: Caixa paga auxílio emergencial a 5,1 milhões de pessoas; veja como sacar

De acordo com o Ministério da Economia, ao menos 1 milhão de trabalhadores ficaram aptos a solicitar o seguro-desemprego após o agravamento da pandemia. Em 45 dias, entre 1 março e 15 de abril, 804 mil pessoas conseguiram acessar benefício. No ano passado essa quantidade foi de 866 mil.

O governo federal ainda afirma que, por conta das medidas restritivas nos estados, 200 mil desempregados não conseguiram ir às agências do Sine (Sistema Nacional de Emprego) para solicitar o benefício.

Leia também: Agências da Caixa ficam lotadas no primeiro dia de saque do auxílio emergencial

Desde o início de abril, outros 4,3 milhões de trabalhadores formais tiveram o contrato suspenso ou jornadas e salários reduzidos por até três meses. A maior parte teve contrato totalmente suspenso, conforme parcial apresentada na última semana.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários