Ações da Embraer caem mais de 10% após Boeing cancelar o acordo entre as companhias
Agência Brasil/Antônio Milena
Ações da Embraer caem mais de 10% após Boeing cancelar o acordo entre as companhias

O cancelamento do acordo entre as empresas aéreas Boeing e Embraer faz com que as ações da brasileira iniciem a semana no terreno negativo. Os papéis da Embraer são negociados com queda de 11,47% na Bolsa de SP, a R$ 7,33. No início do pregão, por volta das 10h, o recuo chegou a 14%, levando à suspensão dos papéis por cinco minutos.

Leia também: Embraer diz que rescisão de contrato pela Boeing é indevida

A companhia norte-americana alegou, no último sábado (25), que que a Embraer não atendeu a todas as condições exigidas e que, por isso, estava “exercendo seu direito de rescindir o contrato”.

Horas mais tarde, a brasileira contestou. A empresa afirmou que a atitude da Boeing foi indevida e que a americana fabricou falsas alegações como pretexto para não fechar a transação e pagar os US$ 4,2 bilhões prometidos à Embraer.

Você viu?

Somente neste ano, as ações da aérea brasileira acumulam desvalorização de 58%. O preço dos papéis caíram de R$ 19,73 para R$ 8,28.

"A Embraer se estruturou para conceber o novo negócio. Agora, a empresa se vê sozinha tendo que disputar mercado com concorrentes mais bem estruturadas, como a AirBus, que fechou acordo com a Bombardier", indica Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos.

Nesta segunda, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o país pode negociar a venda da Embraer para outra empresa.

"Mesmo a companhia negocie um novo acordo com outra empresa à frente, o que também pode implicar em termos menos vantajosos dado a atual conjuntura, a empresa precisará trabalhar sua musculatura de modo a retomar a competitividade de outrora", completou Arbetman.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários