Sob coordenação do ministro da Casa Civil , Walter Braga Netto , e sem participação direta do ministro da Economia, Paulo Guedes , o governo começou a desenhar um plano de recuperação econômica do país para depois da crise causada pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2) .

Comércio de São Paulo quer voltar a funcionar no dia 1º de maio

O programa é sustentado na retomada de obras públicas com recursos do Tesouro Nacional , como forma de evitar uma escalada do desemprego. A principal frente de atuação está sendo desenvolvida pelo Ministério da Infraestrutura.

Ministro Paulo Guedes no Fórum Econômico Mundial
World Economic Forum/Ciaran McCrickard
Ministro Paulo Guedes no Fórum Econômico Mundial



A equipe do ministro Tarcísio Freitas indicou 70 obras, na área de transportes, com projetos de engenharia e licenciamento ambiental em fase adiantada. O plano prevê aportes estatais de R$ 30 bilhões até 2022 e, segundo estimativas da pasta, poderia gerar de 500 mil a 1 milhão de empregos nesse período.

O plano está sendo chamado de Pró-Brasil . Nos bastidores, ele é visto como o Plano Marshall do governo Jair Bolsonaro , em referência ao programa dos Estados Unidos de recuperação de países aliados após da Segunda Guerra Mundial .

Os detalhes do pacote foram apresentados nesta quarta-feira em reunião de Bolsonaro com a equipe ministerial. Segundo relatos, durante a reunião, foi apresentado o diagnóstico de que a crise causada pelo novo coronavírus  irá se estender no ano que vem e que será necessário repensar a atual política de ajuste fiscal.

Há uma avaliação hoje dessa ala do governo que o plano de privatizações e concessões não dará resultado no curto prazo, por conta de questões burocráticas e legais. Daí a necessidade de se aumentar o gasto público.

Outras medidas estão vindo dos ministérios do Desenvolvimento Regional e de Minas e Energia. Há a intenção de retomar empreendimentos de habitação via Minha Casa , Minha Vida , além de obras de saneamento.

App dá problema, auxílio reprovado: veja reclamações do Twitter

A questão agora é como conciliar o plano com as restrições fiscais do país. O Ministério da Economia ainda não está envolvido diretamente nas discussões. Os técnicos da equipe econômica têm alertado que qualquer gasto que extrapole o programa de combate à calamidade, focado em 2020, precisará respeitar as regras fiscais vigentes. Uma delas é o teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação.

Logo após a reunião pela manhã para discutir o assunto, o secretário de Desestatizações do Ministério da Economia , Salim Mattar , convocou entrevista à imprensa para destacar que o foco da pasta está nas privatizações.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários