Brasil Econômico


carteira de trabalho
-
Medida provisória mostra efeitos, mas governo teme aprovação de proposta em votação da Câmara

Um milhão e 800 mil trabalhadores já firmaram acordos com patrões para reduzir jornadas e salários ou suspender contratos, segundo afirmou Bruno Bianco, secretário especial de Previdência e Trabalho, nesta quinta-feira (16).

A medida provisória trabalhista entrou em vigor no início do mês, e o número foi apresentado por Bianco quando ele criticava a criação do programa que permite que o governo banque parte dos salários dos trabalhadores com carteira assinada.

A ampliação dos benefícios aos trabalhadores teria impacto de R$ 114 bilhões nas contas públicas, segundo o governo, e faz parte do projeto de lei que alarga o número de categorias que podem receber o auxílio emergencial de R$ 600.

O texto foi aprovado pelo Senado e está, neste momento, com votação em andamento  na Câmara dos Deputados.

Se for aprovado com mudanças, o texto volta para o Senado, antes ir para sanção presidencial. Pela proposta, o governo poderia pagar até três salários mínimos (R$ 3.135, em 2020) por mês aos trabalhadores, enquanto durar o estado de calamidade.

Os patrões não poderiam demitir esses empregados por 12 meses após o fim do pagamento do auxílio. A despesa extra de R$ 114 bilhões leva em conta pagamentos por quatro meses.

Veja mais:  Aprenda a abrir conta poupança da Caixa para receber auxílio sem sair de casa

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários