Magazine Luiza anunciou corte de salários de executivos e funcionários com base na MP Trabalhista, que prevê redução de jornada
Divulgação
Magazine Luiza anunciou corte de salários de executivos e funcionários com base na MP Trabalhista, que prevê redução de jornada

O Magazine Luiza anunciou nesta terça-feira (7) uma série de medidas para superar a crise provocada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Entre elas está a adoção da MP 936, que permite a suspensão de contratos e cortes de salários e jornadas de trabalho, além da redução dos salários dos executivos e a captação de R$ 800 milhões por meio de uma emissão de debêntures.

Leia também: Trabalhador que tiver corte de salário não poderá ser demitido por três meses

"Para cumprir nosso objetivo de não fazer demissões por conta da crise do coronavírus, lançaremos mão da Medida Provisória 936/2020", informou a companhia, em comunicado divulgado para investidores. "Estamos fazendo um capacity planning (planejamento da capacidade necessária para atender a demanda) exaustivo para os próximos meses, a fim de determinar a abrangência e as modalidades dos instrumentos previstos na MP que serão aplicados".

Após o fechamento de todas as mais de mil lojas físicas da rede, "mais de 20 mil funcionários tiveram suas férias antecipadas e pagas", informou o Magazine Luiza , que reconhece "pressa", mas garante que o retorno das operações só ocorrerá com a "absoluta segurança de que essa é a decisão certa a ser tomada, naquele lugar, naquelas circunstâncias".

No lado dos executivos, o Magalu decidiu reduzir em 80%, por um período de três meses, os salários do diretor executivo e do vice-presidente de operações. Os vencimentos dos 12 diretores executivos serão cortados em 50%, mesmo percentual de redução aplicado para os sete membros do Conselho de Administração. Para os demais diretores, o corte será de 25%.

Você viu?

R$ 7 bilhões em caixa

No comunicado assinado pelo diretor financeiro e de relações com investidores, Roberto Bellissimo Rodrigues, a companhia garante ter "reservas de segurança para atravessar a tempestade", já que terminou o exercício de 2019 com cerca de R$ 7 bilhões em caixa. Mesmo assim, o Conselho de Administração autorizou a captação de mais R$ 800 milhões.

"Ainda que confortáveis do ponto de vista de liquidez, é dever da liderança da empresa preservar ao máximo o caixa da empresa — tanto por não termos uma visão clara da dimensão e da extensão da atual crise, quanto para estarmos financeiramente preparados para a retomada econômica e as oportunidades de negócios que surgirão com ela", disse a empresa, no comunicado.

A empresa aproveitou a oportunidade para dar publicidade às medidas protetivas e filantrópicas adotadas por conta da pandemia . Em março, as famílias Trajano e Garcia, controladoras do grupo, anunciaram a doação de R$ 10 milhões para a compra de equipamentos hospitalares.

O auxílio-creche pago a cerca de 5,5 mil funcionárias com filhos de até 10 anos foi dobrado, e as equipes de logística e distribuição, que continuam trabalhando, receberam aumentos salariais.

Para os acionistas, o Magalu informa o adiamento das Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária para o fim de julho, e da divulgação dos resultados do primeiro trimestre, que estava prevista para 7 de maio, para o fim do mesmo mês.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários