O secretário de Política Econômica Adolfo Sachsida
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
O secretário de Política Econômica Adolfo Sachsida

O secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, afirmou nesta quarta-feira que o país vai sair mais forte da crise do coronavírus. O secretário participou de transmissão ao vivo com o economista-chefe da corretora Necton, André Perfeito.

- Eu honestamente acho que a gente nós vamos sair fortalecidos dessa crise. Às vezes a gente fala assim, “o anúncio tal, o anúncio ali”, mas passa uma semana e as coisas estão andando. Olha a reforma da Previdência que foi aprovada, olha o novo FGTS que foi aprovado - afirmou.

Rodrigo Maia: Só um Estado forte e ágil vence o vírus

O secretário disse que o objetivo principal do Ministério da Economia é evitar que os efeitos da crise do coronavírus se tornem permanentes. Ele defendeu que as pessoas e empresas devem ser mantidas na atividade produtiva no período após o choque, quando o país estiver sentindo os efeitos econômicos negativos.

Sachsida ressaltou que nenhuma medida tomada até agora pelo ministério tem efeitos para além de 2020.

Equipe de Guedes projeta retorno gradual da quarentena a partir de 7 de abril

- Todas as medidas que sendo desenhadas duram três, quatro, cinco meses… no máximo vão até o final do ano. Ou seja, de maneira alguma estamos comprometendo a sustentabilidade fiscal em 2021 - disse.

Ele defendeu a manutenção do teto de gastos, da estrutura fiscal brasileira e da retomada da agenda econômica do governo em 2021. No entanto, admitiu que o resultado fiscal deste ano deve ser pior.

- A estrutura está mantida, o teto de gastos está mantido, mas o transitório vai ser ajustado num déficit primário pior para 2020. E em 2021 vamos retomar a estratégia que já tínhamos antes - disse.

    Veja Também

      Mostrar mais