donald trump
Shealah Craighead/Official White House
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, busca aprovar pacote de US$ 850 bilhões contra o coronavírus

O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tentará obter a aprovação de um pacote de estímulo de US$ 850 bilhões destinado a amortecer o impacto do coronavírus sobre a economia, informou nesta terça-feira (17) o jornal The Washington Post , citando fontes do governo.

Leia também: Pandemia de coronavírus nos EUA deve ir até julho, avalia Trump

A expectativa é que o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin , discuta o pedido com os republicanos do Congresso nesta terça, informou o jornal, acrescentando que o pacote procura usar impostos sobre os salários ou outros mecanismos para injetar recursos na economia.

Mnuchin disse aos republicanos em uma teleconferência na segunda que o mercado precisa de mais liquidez. Após a ligação, foi se encontrar com o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell.

O secretário também está avaliando propostas para ajudar pequenas empresas, incluindo o adiamento do prazo para pagamentos trimestrais de impostos e opções para empréstimos rápidos em dinheiro.

Segundo as fontes, Mnuchin está conversando com os líderes de pequenas empresas para perguntar que tipo de ajuda eles precisam do governo, pois o coronavírus reduz sua renda.

Agora, os republicanos do Senado estão considerando o segundo estágio de estímulo em resposta à pandemia de coronavírus e devem aprovar rapidamente o pacote da Câmara de medidas econômicas relacionadas ao vírus.

O Senado pode aceitar o projeto aprovado na Câmara ainda nesta terça-feira, quando Mnuchin planeja voltar ao Capitólio para se reunir com republicanos do Senado durante o almoço semanal.

"Por mais ocupado que esteja, ele está reservando um tempo para nos ouvir e, francamente, até atuando em alguns deles", disse Alfredo Ortiz, presidente da conservadora Job Creators Network, que teve três conversas telefônicas separadas diretamente com Mnuchin na segunda-feira.

"Uma ideia que propusemos e ele gostou é atrasar os pagamentos trimestrais de impostos em abril por 90 a 180 dias. As empresas ainda teriam que registrar seus impostos, mas se um pagamento de imposto é devido, o governo pode adiar os pagamentos em dinheiro. Isso seria muito bom para os pequenos empresários", disse Ortiz.

Outras propostas discutidas por Mnuchin incluem uma solicitação rápida de uma linha de crédito de um banco, garantida pelo Tesouro , para interromper os pedidos de empréstimos da Administração para Pequenas Empresas, que podem levar de três a cinco meses, acrescentou Ortiz.

Também está em consideração incentivar os Estados a alavancar o seguro-desemprego e pagar aos trabalhadores 80% da remuneração por hora trabalhada à qual os funcionários estão acostumados, além de pagar aos empregados que recebem comissão 80% de sua renda média semanal em vez de seu salário por hora.

Na segunda-feira, a Câmara aprovou correções técnicas na sua conta de coronavírus, que foi criada há mais de uma semana, quando o vírus estava se intensificando nos EUA. Agora, a Casa Branca e a maioria dos parlamentares estão ansiosos para enviar a conta a Trump para que seja sancionada.

"Temos muito mais trabalho a fazer", disse Mnuchin na segunda-feira no Capitólio.

O secretário disse que conversou com os senadores republicanos sobre projetos de estímulo econômico adicionais que eles trabalharão "o mais rápido possível".

A queda dos preços das ações e a queda abrupta dos gastos dos consumidores durante um período de distanciamento social cristalizaram a necessidade de o Congresso agir com rapidez e ousadia.

Ações do BC americano

O Federal Reserve já usou grande parte de suas ferramentas para sustentar a economia, deixando os formuladores de políticas amenizarem a extensão dos danos com estímulos fiscais. No domingo, em uma segunda medida extraordinária somente neste mês, o Banco Central dos EUA reduziu drasticamente os juros da economia americana. Agora, os percentuais estão na banda entre 0% e 0,25%, com juros reais negativos, ou seja, inferiores à inflação.

De acordo com a autoridade monetária dos EUA, a atitude foi coordenada com os Bancos Centrais de Canadá, Inglaterra, Japão, Suíça e Europa, que também vão prover liquidez ao mercado com a injeção de dólares nos mercados.

No dia 3 deste mês, o Fed fez outro movimento fora das reuniões padrões. Naquele momento, cortou os juros em 0,5 ponto percentual, para entre 1% e 1,25%.

Leia também: Dólar segue em alta, acima de R$ 5, e Bolsa ensaia recuperação

O Fed anunciou ainda a recompra de US$ 700 bilhões em títulos do Tesouro e lastreados em hipotecas, numa tentativa agressiva de impedir que as perturbações do mercado agravem o que provavelmente será uma grave desaceleração da economia causada pelo coronavírus.

    Veja Também

      Mostrar mais