petróleo
Foto: AP
O governo estuda medidas de estímulo para ajudar a conter a crise provocada pelo avanço do novo coronavírus e pela guerra do petróleo

O secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Júnior, admitiu nesta terça-feira que o governo estuda medidas de estímulo para ajudar a conter a crise provocada pelo avanço do novo coronavírus e pela guerra do petróleo entre Arábia Saudita e Rússia. Ele destacou, porém, que o foco do governo está na defesa das reformas.

— Medidas fiscais de estímulo são estudadas, como são estudadas diversas outras medidas. Nós não paramos de estudar — disse ele, após participar de evento sobre o novo Pacto Federativo no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

MPF recomenda à Anac cancelamento gratuito de passagens por causa do coronavírus

Países como Estados Unidos, Japão e Alemanha preparam medidas de socorro para conter os impactos do vírus na economia.

— Nós acompanhamos cada um dos movimentos dos países. Eles são analisados pelas equipes técnicas. Nós não descartamos análises e estudos de nenhuma medida, mas a nossa diretriz hoje é de nos mantermos na defesa das medidas estruturais que propusemos, em particular o pacto federativo, a reforma administrativa, a reforma tributária e a rapidez das privatizações. Todas essas medidas dão dinamismo na economia — disse o secretário.

Tem até rato: confira lista de itens inusitados esquecidos em carros da Uber


 Recursos limitados

Rodrigues afirmou, porém, que há pouco espaço para gastar:

— O espaço fiscal nosso é limitado. Estamos no sétimo ano de déficit primário.

O governo ainda não propôs ao Congresso as reformas administrativa e tributária. Rodrigues reforçou a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que nesta segunda-feira disse que a equipe econômica estava tranquila e defendia o avanço das reformas estruturais.

Caminhoneiros e setor produtivo não chegam a acordo sobre tabelamento do frete

— Nosso ajuste fiscal ainda não foi nem metade completado. A nossa diretriz é manter a convicção que precisamos aprovar as reformas estruturais — disse Rodrigues.

O secretário defendeu a manutenção do teto de gastos — regra que limita o crescimento das despesas da União —, num momento em que economistas já falam em rever a norma, como forma de aumentar o investimento público.

— O teto de gastos é de enorme valor para a disciplina fiscal do país. Entendemos que o teto de gastos traz um disciplinamento e uma diretriz que é importantíssimo. O teto de gastos é um elemento de enorme importância para o governo, e nós defendemos que ele seja mantido — disse.

    Veja Também

      Mostrar mais