Jair Bolsonaro e Tarcísio Gomes de Freitas arrow-options
Antonio Cruz/Agência Brasil
Jair Bolsonaro e Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura


O presidente Jair Bolsonaro afirmou neste sábado (15) que os preços dos pedágios no Brasil em sua maioria extrapolam o razoável a ser pago. Ele destacou que os contratos com as concessionárias são ajustados pelo IPCA (índice oficial de inflação), mas que os salários dos brasileiros não acompanham a inflação.

Leia também: Governadores nordestinos aprovam previdências mais duras que a de Bolsonaro

"Eu tenho conversado com o Tarcísio (de Freitas, ministro da Infraestrutura) porque os pedágios muitas vezes, quer dizer, quase todos, extrapolam aquilo que poderia ser o razoável para pagar. Porque no contrato tem reajuste anual de acordo com IPCA. Tenho conversado com Tarcísio se pode colocar no contrato que o reajuste é feito sim, mas quem sabe com 90%, 95%, 80% do IPCA. Porque o salário não acompanha a inflação. Então é pra eu pensar a médio e longo prazo, não só a curto prazo — afirmou o presidente, durante inauguração de obra que vai ligar a ponte Rio-Niterói com a Linha Vermelha, no Rio de Janeiro.

A declaração foi dada ao comentar a concessão da rodovia Presidente Dutra, que vence no começo de 2021. Uma nova licitação será feira este ano.

Leia também: Preços da gasolina e do diesel recuam nos postos nesta semana, diz ANP

O presidente voltou a criticar as agências reguladoras e disse que elas representam para o “bem e para o mal”. Segundo Bolsonaro , sua preocupação é sempre indicar bons nomes para as autarquias que, às vezes, têm mais poder do que um ministério:

"Tem agênciaque é tão ou mais poderosa que um ministério. Coisa que o povo não sabe por que. Obviamente, como é um interesse muito mais político do que técnico, isso é escondido. Espero que a imprensa comece a mostrar as agências para que a população entenda como o destino do Brasil é conduzido", disse.

    Veja Também

      Mostrar mais