Brasil Econômico

Berlim
shutterstock
Agora, há um teto para aluguéis de imóveis em Berlim


A Assembleia Legislativa de Berlim aprovou nesta quinta-feira (30), uma lei que estabelece um teto para o valor cobrado em aluguéis de imóveis na cidade. A medida é inédita na Alemanha , e já vem sendo criticada pela oposição e pelo setor imobiliário

A lei foi criada para tentar combater a explosão nos preços dos aluguéis na capital alemã, causada pela especulação imobiliária . De acordo com a Deutsche Welle, Berlim se tornou a cidade em que os preços dos aluguéis mais subiram desde 2008 em toda a Alemanha , com uma média de aumento de 104%. 

Leia também: Atingidos pelas chuvas em Belo Horizonte podem ter isenção do IPTU 2020

Além disso, 85% dos moradores de Berlim são inquilinos , o que faz com que essas mudanças no perfil imobiliário da cidade atinjam a maior parte da população. 

O que determina a nova lei

Com a nova lei, o valor de todos os aluguéis está congelado por cinco anos , inclusive os novos contratos. A partir de 2022, porém, os proprietários podem fazer ajustes nos aluguéis de acordo com a inflação, mas nunca acima de 1,3% ao ano. 

O valor do teto dos aluguéis varia de €3,92 a €9,80 (cerca de R$18,50 a R$46,20) por metro quadrado, dependendo do ano de construção do imóvel e de facilidades como elevador.

Leia também: Inflação do aluguel acumula taxa de 7,91% em 12 meses, diz FGV

Todos os aluguéis que ultrapassarem o valor do teto terão que ter seus contratos revisados para que o valor seja diminuído. Imóveis construídos depois de 2014 e moradias sociais ficam de fora da nova regra, que passa a valer a partir de fevereiro para cerca de 1,5 milhão de imóveis locados em Berlim . Para quem não cumprir a nova regra, a multa pode chegar a €500 mil. 

Oposição

A lei foi criada pelo governo berlinense, formado pela coalizão entre Partido Social-Democrata, Partido Verde e A Esquerda. Do outro lado, o partido de Angela Merkel - a União Democrata Cristã - e o Partido Liberal Democrata já afirmaram que devem entrar na Justiça contra a nova lei. O setor imobiliário também se opõe à regra. 

Para os críticos, a medida afastará investidores da cidade, que enfrenta escassez de moradias, além de impedir reformas de modernização dos imóveis

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários