dólar
Pixabay/Reprodução
Dólar segue em queda


O dólar comercial começou esta quinta-feira (23) em queda, mantendo a tendência observada ontem. A moeda é negociada a R$4,161 após baixa de 0,32%. No mercado de ações , o Ibovespa (índice de referência da Bolsa de São Paulo) caiu 1,01%, aos 117.200 pontos.

As preocupações sobre o coronavírus na Ásia seguem no radar dos investidores. Internamente, os dados prévios da inflação de janeiro também impactam o mercado. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 ( IPCA -15) ficou em 0,71%, bem próximo da expectativa de 0,7% projetada pelos analistas consultados pela Bloomberg.

O resultado, porém, é visto pelo mercado com cautela e reduz um pouco as probabilidades de um corte adicional da taxa básica de juros ( Selic ) na próxima reunião do Comitê de Política Monetária ( Copom ), entre 4 e 5 de fevereiro.

Leia também: Preço da carne desacelera e prévia da inflação de janeiro fica em 0,71%

"Mesmo com o arrefecimento do preço da carne na inflação , o indicador segue pressionado. O resultado desta quinta contribui para diminuir o ímpeto das apostas do mercado em uma nova rodada de cortes na Selic ", avalia Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae.

O possível corte na Selic acaba deixando o mercado local menos atraente para os investidores, principalmente em relação ao carry trade . O termo é usado para se referir a operação na qual os investidores tomam empréstimos em países com juros baixos para aplicar em títulos públicos de países emergentes, geralmente com juros elevados. Caso os juros brasileiros renovem a mínima histórica, o mercado doméstico fica menos atraente para o investidor.

Coronavírus e o mercado

Do lado externo, o aumento dos casos de contaminação do coronavírus fez com que os principais índices da Ásia fechassem em queda. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 3,1%, na maior perda diária em quase nove meses. Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 1,52%. No Japão, o Nikkei recuou 0,98%.

Leia também: China constata mais 17 casos de pneumonia viral; doença já afeta 62

A queda nas Bolsas da Ásia veio após o isolamento da cidade de Wuhan para conter o coronavírus. Os investidores acabaram vendendo ações relacionadas a restaurantes, cinemas, companhias aéreas e parques temáticos por temores de mais casos de contaminação.

"A China está às vésperas do Ano Novo Lunar (começa neste sábado, 25), o que gera receio de que o vírus pode se espalhar para outras regiões do país. Agora, o país está fechando estradas e isolando regiões de foco do coronavírus. Isso cria um receio porque ainda não se sabe os impactos dessa doença na economia", indica Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários