Tamanho do texto

Depois de uma conversa com Sajid David em Davos, Paulo Guedes afirmou que o Reino Unido tem interesse em um acordo comercial com Brasil após o Brexit

Reino Unido arrow-options
Creative Commons/Pixabay
Reino Unido quer acordo com o Brasil, diz Guedes


De acordo com Paulo Guedes , o Reino Unido tem interesse em iniciar negociações para um acordo de livre comécio com o Mercosul logo após a concretização do Brexit . Nesta quarta-feira (22), o ministro da Economia se reuniu com seu colega britânico de Finanças, Sajid David, emDavos, na Suíça, onde participam do Fórum Econômico Mundial . "Nós queremos e eles querem" resumiu Guedes. 

O bloco sul-americano fechou um tratado comercial com a União Europeia no ano passado, que ainda precisa de ratificação parlamentar. Com o Brexit, o Reino Unido ficaria de fora da redução mútua de tarifas de importação e precisaria negociar do zero novos acordos. "Ele [David] me disse que tem urgência com o Brasil. Os britânicos querem mergulhar numa piscina nova", comentou o ministro.

Leia também: Em Davos, Guedes diz que Brasil abrirá licitações públicas a estrangeiros

De acordo com Guedes, o Brasil está determinado a levar adiante um processo de abertura comercial. "N ós pressupomos que a Argentina vai nos acompanhar. Se ela não acompanhar... ", brincou, sem completar a frase.

Mercosul e Reino Unido

Para o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, que acompanhou Guedes na maioria das reuniões, um acordo de livre comércio Mercosul-Reino Unido tende a ter uma negociação menos complicada porque este é hoje o país menos protecionista da Europa.

Troyjo acrescentou que o Brasil já pode avançar com os britânicos, isolada e independentemente dos demais sócios no bloco sul-americano, sobre temas não tarifários.

Leia também: Após críticas, Guedes tenta esclarecer comentário sobre pobreza e meio ambiente

David também garantiu apoio “enfático” de Londres à entrada do Brasil na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico ( OCDE ), segundo Guedes. Ambos falaram ainda sobre a possibilidade de um acordo bilateral para evitar a dupla cobrança de impostos, o que diminui a carga tributária de empresas de um país instaladas em outro.

O ministro esteve nesta quarta com o comissário de Comércio da UE, Phil Hogan, que transmitiu o compromisso de engajamento de Bruxelas com a assinatura do acordo de livre comércio com o Mercosul . “Está indo tudo bem com o acordo, existe uma maioria [de países] favorável, há um ou outro problema, mas vamos superar”, teria afirmado Hogan, segundo relato do próprio Guedes.