Tamanho do texto

Polícia Civil mineira recolhe material na cervejaria Backer; existe a suspeita que uma de suas cervejas estaria envolvida em casos de doença misteriosa

placa policia civil arrow-options
Reprodução/Globonews
Polícia Civil busca indícios de envolvimento de cerveja com doença misteriosa



Em busca de respostas sobre uma síndrome desconhecida que atingiu algumas pessoas em Belo Horioznte, a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG)  esteve na tarde desta quinta-feira (9) na fábrica da cervejaria Backer , no bairro Olhos D'Água da capital mineira.

Material foi recolhido para fazer perícia pela PCMG. Desde o domingo (5) boatos difundidos pela internet relacionaram o consumo da cerveja Belorizontina, da Backer, a pessoas que estavam passando mal no Bairro Buritis , em Belo Horizonte.

E agora? Estudo aponta que aquecimento global pode extinguir a cerveja

 A cervejaria vem desde então negando estar relacionada com o quadro clínico. Uma síndrome com quadro de alterações neurológicas e insuficiência renal, entretanto, foi identificada em pelo menos oito homens que estiveram no bairro.

Um deles, Paschoal Dermatini Filho, 55, morreu em Juiz de Fora (MG), após apresentar os mesmos sintomas. Ele esteve no bairro da capital mineira antes de falecer. Um nono caso já foi descartado e os médicos ainda não identificaram a causa da síndrome. 

Operação prende 18 suspeitos de roubo e alteração de combustível no Rio

Por meio de nota a cervejaria afirmou que está colaborando com os órgãos públicos de saúde que "estão realizando perícias em todo o seu processo de produção". A empresa ainda reiterou que na última terça-feira (7) "recebeu em suas instalações, agentes do Ministério da Agricultura que realizaram uma inspeção completa". 

Em outro posicionamento divulgado mais cedo, a cervejaria afirmou que "se solidariza com as famílias e espera a solução do caso até para que os devidos tratamentos sejam aplicados". 

A Backer ainda afirmou que "pede cuidado com a divulgação de boatos que geram pânico e não contribuem em nada com as famílias envolvidas e a sociedade".

O que já se sabe sobre a doença misteriosa

Os sintomas da síndrome desconhecida são dor abdominal, náusea e vômitos. O quadro evolui rapidamente para problemas neurológicos e insuficiência renal. Até o momento a síndrome só foi identificada em homens, entre 23 e 64 anos. 

SBT é condenado a indenizar mulher que não recebeu produto anunciado no canal

 Na última quarta-feira (8) um dos diagnosticados morreu. Todos os pacientes  são moradores ou visitaram um bairro da capital mineira , o Buritis. 

Após o óbito, o  Ministério da Saúde enviou um grupo de técnicos que se reuniu com profissionais da Secretaria de Estado de Saúde, em Belo Horizonte. O objetivo é investigar e determinar a origem dos sintomas.

Veja a íntegra das notas da Backer divulgadas nesta quinta-feira

Nota de Esclarecimento

A Cervejaria Backer informa que está colaborando com os órgãos públicos de saúde que estão realizando perícias em todo o seu processo de produção.

No dia 07, terça-feira, a fábrica recebeu em suas instalações, agentes do Ministério da Agricultura que realizaram uma inspeção completa na mesma.

Autoridades de saúde investigam, igualmente, outros produtos consumidos e que possam ter provocado a hospitalização de 8 pessoas, todas com os mesmos sintomas.

Reafirmamos nossa total confiança em todas as etapas de produção dos nossos produtos. Manteremos nossos consumidores, distribuidores e a sociedade em geral informada, tão logo tenhamos acesso aos laudos periciais, ora em curso.

BH, 09 de janeiro de 2020.

"Backer está colaborando com as investigações e confia nas autoridades para o esclarecimento da verdade. Todos aguardamos o laudo que será emitido para elucidar os fatos. Ela reafirma a confiança se seus rigorosos processos de produção que resulta em produtos de qualidade e nega qualquer problema em suas cervejas. Nesse momento a Backer se solidariza com as famílias e espera a solução do caso até para que os devidos tratamentos sejam aplicados e pede cuidado com a divulgação de boatos que geram pânico e não contribuem em nada com as famílias envolvidas e a sociedade".