Brasil Econômico

natal
shutterstock
Associação estima que dezembro vá gerar 160 mil vagas de emprego temporárias

Até o fim do mês de dezembro deste ano deverão ser geradas mais de 160 mil vagas temporárias no Brasil. Ano passado foram geradas 131 mil postos temporários no mesmo período. Isso significa um aumento de 22% em 2019. Os números são da Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem).

Leia também: Governo acaba com multa de 10% paga pelo empregador em demissão sem justa causa

Somente o estado de São Paulo, o maior em participação na geração de vagas de trabalho temporário , serão disponibilizadas 104.389 vagas no total. 

Segundo a Asserttem, dezembro é o mês em que mais cresce a geração de vagas formais através do trabalho temporário, no formato da Lei Federal 6.019/74, que regula o trabalho temporário.

"Este é o melhor mês de dezembro desde 2014, quando foram geradas 135.034 vagas temporárias ", aponta a presidente da ASSERTTEM, Michelle Karine.

Segundo ela, o setor do Comércio lidera as contratações no período, devido ao Natal, mas também há vagas nos setores de Serviços e na Indústria.

"A contratação temporária é uma opção mais viável às empresas que precisam atender à demanda aquecida de datas sazonais, ou outros tipos de necessidades transitórias, além de representar uma alternativa que garante os direitos trabalhistas em meio a forte informalidade na economia atual", explica.

Oportunidade

Segundo a dirigente, diante de um cenário positivo em termo de contratações, as contratações temporárias são uma oportunidade efetiva para quem busca o mercado de trabalho formal e uma eventual efetivação .

"Historicamente, em média, 30% dos trabalhadores temporários chegam a ser efetivados", comenta Michelle.

A dica da Associação é que o profissional busque uma empresa alinhada ao seu perfil. "Os contratantes buscam pessoas com disponibilidade e engajamento para o trabalho . Para o Comércio, uma boa comunicação e facilidade para relacionamento com o público são muito valorizadas", indica a presidente da associação.

Incremento

Na avaliação da Asserttem, o novo decreto do Trabalho Temporário (nº 10.060/19) - que esclarece pontos importantes sobre esta modalidade especial - e a decisão do TST que definiu que em contratos temporários (Lei 6.019/74) não se aplica a estabilidade gestante devem trazer resultados positivos no incremento de de vagas temporárias neste final do ano.

Leia também: Trabalhadora temporária não tem direito à estabilidade se engravidar, decide TST

A associação projetava a geração de 570 mil vagas no último quadrimestre (setembro a dezembro) frente às 500 mil de 2018. Agora, acredita que esse número deve chegar a 577 mil até o fim de dezembro. Um aumento que pode ter um novo crescimento de 7 mil vagas do que já havia sido projetado.

"Esperamos uma maior e melhor utilização desta modalidade e, consequentemente, uma melhora no desempenho econômico, contribuindo de forma direta na geração de trabalho formal e renda no país", afirma Michelle Karine.

Consolidado 1º semestre

O mercado de trabalho temporário, protegido pela Lei Federal 6019/74, cresceu 17,5% no primeiro semestre de 2019, em comparação com o mesmo período de 2018, gerando mais de 679 mil vagas de trabalho, segundo a Asserttem. O volume equivale a uma média de 3.751 contratações por dia.

Já em comparação com o primeiro semestre de 2017, o crescimento é de 40,68%. No período anterior haviam sido geradas cerca de 482 mil vagas, enquanto em 2019 foram geradas mais de 679 mil vagas na modalidade de trabalho temporário.

Entre os estados brasileiros, São Paulo é a região com maior concentração, sendo responsável por 66,42% das vagas e que registrou um aumento de 18.19%, superior à média nacional. Em seguida, os estados do Paraná e de Minas Gerais ocupam o ranking de geração de trabalho temporário.

Leia também: Poder de compra afetado: mercado estima inflação maior para 2019

"A consolidação dos dados do primeiro semestre de 2019, com a criação de mais de 679 mil vagas de trabalho temporário, mostra que a modalidade tem puxado a retomada de geração de trabalho formal e renda, injetando ânimo significativo na economia", conclui Michelle.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários