Tamanho do texto

Equipe econômica aposta que as novas regras para saques do FGTS e o ajuste fiscal vão manter trajetória de alta e impulsionar o crescimento em 2020

Guedes e Bolsonaro arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Governo celebrou crescimento do PIB e disse que desaceleração "ficou para trás"

O crescimento de 0,6% da economia brasileira no terceiro trimestre, divulgado nesta terça-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que a fase de desaceleração da atividade no país “ficou para trás”, na avaliação do governo. Em relatório, o Ministério da Economia afirma que o país está crescendo com "mais vigor".

Leia também: INSS confirma devolução de R$ 57 milhões a 800 mil aposentados e pensionistas

"Os resultados das Contas Nacionais Trimestrais confirmam o que já foi evidenciado por outras estatísticas mensais do IBGE e de outras fontes: a desaceleração da atividade econômica ficou para trás e a economia já está crescendo com maior vigor", diz o relatório elaborado pelo time do secretário de Política Econômica (SPE), Adolfo Sachsida.

O resultado do Produto Interno Bruto ( PIB ), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, veio acima da mediana das expectativas de analistas do mercado financeiro, que esperavam alta de 0,4%. Para o fim do ano, a previsão é de avanço de 1%.

A equipe econômica atribui o número positivo a uma série de fatores, incluindo a liberação de saques das contas ativas (atual emprego) e inativas (empregos antigos) do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ( FGTS ) e o plano de ajuste nas contas públicas.

Assim, destaca o documento, foi possível retomar o crescimento, apesar do encolhimento dos gastos do governo (que, só no terceiro trimestre, encolheram 0,4%, frente ao segundo trimestre). O investimento privado , por sua vez, registrou alta de 2%, na mesma base de comparação.

A expectativa do governo é que os efeitos dessas ações continue a ser sentido no ano que vem. Apesar do saque imediato das contas do FGTS ter se concentrado em 2019, trabalhadores poderão ter acesso, a partir de 2020, ao chamado saque-aniversário,  que funcionará como uma espécie de décimo quarto salário, contribuindo para impulsionar o consumo das famílias. Mais de 1 milhão de brasileiros já aderiram à nova modalidade.

Leia também: Reforma administrativa pode virar 'veneno' com dosagem errada, diz Bolsonaro

"Os efeitos dessas medidas se propagarão para 2020 e o PIB do setor privado continuará acelerando, confirmando um crescimento substancialmente superior ao observado nos últimos anos. O resultado divulgado hoje mostra o aquecimento da economia, que deverá ser reforçado no final deste ano. Desse modo, o Natal de 2019 deverá ser o melhor dos últimos anos", conclui o relatório da SPE.