Tamanho do texto

O dólar comercial fechou esta segunda-feira a R$ 4,21, queda de -0,63%; já o índice Ibovespa, da B3, fechou com alta de 0,64%, aos 108.928 pontos

Agência Brasil

Donald Trump arrow-options
Evan El-Amin/shutter
Fala de Donald Trump sobre retomar taxas maiores sobre o aço e o alumínio brasileiros não abalou o mercado financeiro

A decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de retomar a sobretaxa sobre o aço e o alumínio produzidos no Brasil e na Argentina teve pouco impacto no mercado financeiro. O dólar encerrou em queda. A bolsa de valores subiu.

O dólar comercial fechou esta segunda -feira (2) vendido a R$ 4,213, com queda de R$ 0,027 (-0,63% ). A divisa continua acima de R$ 4,20, mas operou em baixa durante todo o dia.

Governo já conversa com Washington para assegurar vendas de aço aos EUA

No mercado de ações, o dia foi marcado por uma discreta recuperação . O índice Ibovespa, da B3, fechou a segunda-feira com alta de 0,64%, aos 108.928 pontos. Mesmo com o anúncio de Trump, o indicador operou em alta durante toda a sessão.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro disse que a desvalorização do real nas últimas semanas deve-se a fatores externos. Segundo o presidente, as tensões comerciais entre Estados Unidos e China, as turbulências no Chile e as eleições na Argentina e no Uruguai têm pressionado o câmbio nos últimos tempos.

Trump acusa Brasil de desvalorizar moeda e promete retomar tarifas; entenda

Em tese, a imposição de barreiras comerciais pelos Estados Unidos dificulta as exportações brasileiras, reduzindo a entrada de dólares no Brasil e pressionando para cima o dólar.

Sobre a decisão de Trump, Bolsonaro disse não ver retaliação comercial e que pretendia conversar por telefone com o presidente norte-americano.

    Leia tudo sobre: Donald Trump