Tamanho do texto

Aumento no preço médio do cafezinho no Brasil foi de 42% em 5 anos, bem acima do valor da inflação acumulada (IPCA) no período, que foi de 29,2%

pessoas tomando café arrow-options
shutterstock
Hábito de tomar uma xícara de café após o almoço ficou mais caro no últimos cinco anos e superou a inflação do país

Nove entre dez brasileiros acima de 15 anos tomam café segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic).  E foi esse público que sentiu no bolso o aumento da bebida mais conhecida no mundo nos últimos cinco anos. A xícara de café no Brasil ficou, em média, 42% mais cara neste período.

Inflação de outubro é a menor para o mês desde 1998, revela IBGE

Em 2014, o tradicional cafezinho custava R$ 2,39,  e passou para R$ 3,40, em 2018, na média nacional. A variação percentual no custo de uma xícara da bebida é ainda maior se considerado apenas o consumo do produto coado, com alta de 45% , enquanto o café expresso teve alta de 34%, no mesmo período.

Os índices são bem maiores do que a inflação oficial acumulada nesses cinco anos medidos pelo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que foi de 29,23%. 

Vai negociar o aluguel? Taxa que reajusta contratos tem aumento em outubro

O levantamento,  feito pela Ticket e pela Edenred Brasil, com base nos indicadores da Pesquisa +Valor, revela ainda que o cafezinho registrou um incremento no preço maior do que o registrado pelo preço médio da refeição no Brasil, no mesmo intervalo.

De acordo com o levantamento, o gasto médio do trabalhador com o cafezinho supera em 15 pontos percentuais (p.p.) o reajuste de 27% sofrido pela refeição , no período.

Isso porque, como commodity, o café tem seu valor ditado por cotação estabelecida pela Bolsa de Valores de Nova York , um ambiente volátil, que influencia a tarifa dos produtos tanto no mercado físico quanto no futuro.

Copom reduz juros básicos para 5%, o valor mais  baixo dos últimos 30 anos

Região mais cara

A região Centro-Oeste foi a que registrou a maior variação, com crescimento de 75% no valor pago por uma xícara de café. 

A menor variação, no entanto, ocorreu no Nordeste, onde o incremento no custo foi de 35%, passando de R$ 2,62 para R$ 3,54. A variação é 14 p.p. maior que o reajuste aplicado ao preço médio da refeição, registrado em 21% - que passou de R$ 26,98 para R$ 32,66.

“APesquisa +Valor, realizada com mais de 4 mil estabelecimentos em todo o País para medir o preço médio da refeição fora do lar, visa oferecer subsídios às empresas para que possam avaliar o valor do benefício que oferecem a seus empregados”, explica Felipe Gomes, Diretor-Geral da Ticket.