Tamanho do texto

Caixa Econômica informa que o maior problema são os erros nos dados cadastrais; pendência pode ser resolvida e o saque feito até fim de março

agência da Caixa arrow-options
Gabriel Guedes/Brasil Econômico
Para fazer o saque emergencial do FGTS de R$ 500, o trabalhador não pode ter pendências no cadastro

Os primeiros saques emergenciais do FGTS, no valor de R$ 500, para não clientes da Caixa Econômica Federal começaram nesta sexta-feira (18), para trabalhadores nascidos em janeiro. 

E nada mais frustrante do que contar com um valor extra no bolso e não conseguir retirá-lo na hora do saque. Por isso, segundo a Caixa Econômica Federal, é importante que o trabalhador não tenha nenhuma pendência no cadastro do FGTS. 

O banco estatal informa que divergências cadastrais mais comuns são causadas por erros no preenchimento da data de nascimento, nome completo e diferença entre o nome de solteiro e o de casado. 

Outro problema que pode ocorrer é o número do cadastro do PIS estar errado ou inserido mais de uma vez. Vale ressaltar que problemas no cadastro do PIS podem envolver um contato com o empregador. 

Como solucionar

A Caixa informa que a maioria das divergências cadastrais podem ser resolvidas na própria agência, mas por isso é importante levar os originais dos documentos pessoais , da certidão de casamento, da carteira de trabalho e da inscrição no PIS.

Nos casos em que o cadastro tiver que ser refeito, o banco pode solicitar até cinco dias úteis para liberar os recursos do Fundo de Garantia.

Outro problema identificado pelo banco ocorre quando o trabalhador tem mais de um cadastro no PIS. Isso acontece quando ele não sabe que já tem um cadastro, ou não informa à empresa, e ela providencia uma nova inscrição. 

Caso isso ocorra, é necessário solicitar à instituição financeira a unificação da inscrição.