Vencedores do Nobel de Economia atuaram para diminuir a pobreza global
Reprodução/Youtube Nobel
Vencedores do Nobel de Economia atuaram para diminuir a pobreza global

O trio formado pelo indiano naturalizado americano Abhijit Banerjee, o americano Michael Kremer e a franco-americana Esther Duflo foi anunciado ganhador do Nobel de Economia por sua abordagem experimental para combater e aliviar a pobreza no mundo.

Leia também: 7 perguntas que o recrutador não deve fazer em uma entrevista de emprego

Ao anunciar os vencedores, o comitê do Nobel destacou que as pesquisas realizadas pelos premiados "melhoraram consideravelmente a capacidade de combater a pobreza global" com novas e melhores abordagens que, permitem, por exemplo, ações mais eficazes para melhorar a saúde infantil e desempenho escolar.

"As descobertas da pesquisa dos premiados melhoraram drasticamente nossa capacidade de combater a pobreza na prática. Como resultado de um de seus estudos, mais de 5 milhões de crianças indianas se beneficiaram de programas de reforço escolar nas escolas", afirmou o comitê.

Esther Duflo, uma das premiadas, é a segunda mulher a ganhar um Nobel de Economia nos 50 anos da história do prêmio, depois de Elinor Ostro, em 2009, e também a pessoa mais jovem a receber o prémio da categoria. Esther tem 46 anos.

Em meados de 1990, Michael Kremer e seu colegas fizeram experimentos de campos para testar uma série de intervenções que melhoraram resultados escolares no Quênia.

Já  Abhijit Banerjee e Esther Duflo, ao lado de Kemer, desenvolveram estudos semelhantes em outros países, incluindo a Índia. Lá, mais de 5 milhões de crianças indianas foram beneficiadas pelos programas implementados com base nos estudos dos ganhadores do Nobel.

Você viu?

Os métodos usados por eles, agora, são largamente usados em países em desenvolvimento

O prêmio de Economia de 9 milhões de coroas suecas (US$ 915,300 milhões), oficialmente chamado de "Prêmio do Banco da Suécia em Ciências Econômicas em memória de Alfred Nobel", foi criado em 1968 e concedido pela primeira vez em 1969. A homenagem não fazia parte do grupo original de cinco prêmios estabelecidos pelo testamento do inventor industrial sueco Alfred Nobel, criador da dinamite. Os outros prêmios Nobel (Medicina, Física, Química, Literatura e Paz) foram entregues pela primeira vez em 1901.

O Nobel de Economia é o último concedido este ano. Os prêmios de Medicina, Física, Química, Literatura e Paz foram anunciados na semana passada.

Leia também: Não era dinheiro, era cilada: 3 dicas para não cair em dicas furadas da internet

Conheça os premiados

  • Abhijit Banerjee

Nasceu em 1961 em Mumbai, Índia. Em 1988, Banerjee obteve o título de Ph.D. pela Universidade de Harvard, em Cambridge, nos Estados Unidos. Ele é professor de Economia da Ford Foundation no Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA.

  • Esther Duflo

Nasceu em 1972 em Paris, França. Ela obteve o título de Ph.D. em 1999 do Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA. É co-fundadora e diretora do Laboratório de Ação contra a Pobreza Abdul Latif Jameel, e professora de Alívio da Pobreza e Economia do Desenvolvimento no MIT. É a segunda mulher e a pessoa mais jovem a receber o Nobel de Economia. Está casada com Banerjee desde 2015.

  • Michael Kremer

Nascido nos Estados Unidos, em 1964.  Obteve o título de Ph.D em 1992 na Universidade de Harvard, nos EUA. É professor de Sociedades em Desenvolvimento na Universidade de Harvard, nos EUA.

Veja os últimos ganhadores do Nobel de Economia

  • 2018 - William D. Nordhaus, por integrar as mudanças climáticas na análise macroeconômica e Paul M. Romer, por integral a inovação tecnológica na análise macroeconômica
  • 2017 - Richard Thaler, por sua contribuição à economia  comportamental;
  • 2016 - Oliver Hart e Bengt Holmström, por sua contribuição à teoria dos contratos;
  • 2015 - Angus Deaton, por sua análise sobre consumo, pobreza e bem-estar;
  • 2014 - Jean Tirole, por sua análise do poder do mercado e da regulamentação;
  • 2013 - Eugene F. Fama, Lars Peter Hansen e Robert Shiller, por sua análise empírica do preço de ativos;
  • 2012 - Alvin Roth e Lloyd Shapley, pela teoria de alocações estáveis e da prática de design de mercado;
  • 2011 - Thomas Sargent e Christopher Sims, por sua pesquisa empírica sobre causa e efeito na macroeconomia;
  • 2010 - Peter Diamond, Dale T. Mortensen e Christopher Pissarides, por sua análise de mercados com as chamadas "search frictions" entre oferta e demanda;
  • 2009 - Elinor Ostrom, por sua análise sobre governança econômica.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários