Vencedores do Nobel de Economia
Reprodução/Youtube Nobel
Vencedores do Nobel de Economia atuaram para diminuir a pobreza global

O trio formado pelo indiano naturalizado americano Abhijit Banerjee, o americano Michael Kremer e a franco-americana Esther Duflo foi anunciado ganhador do Nobel de Economia por sua abordagem experimental para combater e aliviar a pobreza no mundo.

Leia também: 7 perguntas que o recrutador não deve fazer em uma entrevista de emprego

Ao anunciar os vencedores, o comitê do Nobel destacou que as pesquisas realizadas pelos premiados "melhoraram consideravelmente a capacidade de combater a pobreza global" com novas e melhores abordagens que, permitem, por exemplo, ações mais eficazes para melhorar a saúde infantil e desempenho escolar.

"As descobertas da pesquisa dos premiados melhoraram drasticamente nossa capacidade de combater a pobreza na prática. Como resultado de um de seus estudos, mais de 5 milhões de crianças indianas se beneficiaram de programas de reforço escolar nas escolas", afirmou o comitê.

Esther Duflo, uma das premiadas, é a segunda mulher a ganhar um Nobel de Economia nos 50 anos da história do prêmio, depois de Elinor Ostro, em 2009, e também a pessoa mais jovem a receber o prémio da categoria. Esther tem 46 anos.

Em meados de 1990, Michael Kremer e seu colegas fizeram experimentos de campos para testar uma série de intervenções que melhoraram resultados escolares no Quênia.

Já  Abhijit Banerjee e Esther Duflo, ao lado de Kemer, desenvolveram estudos semelhantes em outros países, incluindo a Índia. Lá, mais de 5 milhões de crianças indianas foram beneficiadas pelos programas implementados com base nos estudos dos ganhadores do Nobel.

Os métodos usados por eles, agora, são largamente usados em países em desenvolvimento

O prêmio de Economia de 9 milhões de coroas suecas (US$ 915,300 milhões), oficialmente chamado de "Prêmio do Banco da Suécia em Ciências Econômicas em memória de Alfred Nobel", foi criado em 1968 e concedido pela primeira vez em 1969. A homenagem não fazia parte do grupo original de cinco prêmios estabelecidos pelo testamento do inventor industrial sueco Alfred Nobel, criador da dinamite. Os outros prêmios Nobel (Medicina, Física, Química, Literatura e Paz) foram entregues pela primeira vez em 1901.

O Nobel de Economia é o último concedido este ano. Os prêmios de Medicina, Física, Química, Literatura e Paz foram anunciados na semana passada.

Leia também: Não era dinheiro, era cilada: 3 dicas para não cair em dicas furadas da internet

Conheça os premiados

  • Abhijit Banerjee

Nasceu em 1961 em Mumbai, Índia. Em 1988, Banerjee obteve o título de Ph.D. pela Universidade de Harvard, em Cambridge, nos Estados Unidos. Ele é professor de Economia da Ford Foundation no Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA.

  • Esther Duflo

Nasceu em 1972 em Paris, França. Ela obteve o título de Ph.D. em 1999 do Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos EUA. É co-fundadora e diretora do Laboratório de Ação contra a Pobreza Abdul Latif Jameel, e professora de Alívio da Pobreza e Economia do Desenvolvimento no MIT. É a segunda mulher e a pessoa mais jovem a receber o Nobel de Economia. Está casada com Banerjee desde 2015.

  • Michael Kremer

Nascido nos Estados Unidos, em 1964.  Obteve o título de Ph.D em 1992 na Universidade de Harvard, nos EUA. É professor de Sociedades em Desenvolvimento na Universidade de Harvard, nos EUA.

Veja os últimos ganhadores do Nobel de Economia

  • 2018 - William D. Nordhaus, por integrar as mudanças climáticas na análise macroeconômica e Paul M. Romer, por integral a inovação tecnológica na análise macroeconômica
  • 2017 - Richard Thaler, por sua contribuição à economia  comportamental;
  • 2016 - Oliver Hart e Bengt Holmström, por sua contribuição à teoria dos contratos;
  • 2015 - Angus Deaton, por sua análise sobre consumo, pobreza e bem-estar;
  • 2014 - Jean Tirole, por sua análise do poder do mercado e da regulamentação;
  • 2013 - Eugene F. Fama, Lars Peter Hansen e Robert Shiller, por sua análise empírica do preço de ativos;
  • 2012 - Alvin Roth e Lloyd Shapley, pela teoria de alocações estáveis e da prática de design de mercado;
  • 2011 - Thomas Sargent e Christopher Sims, por sua pesquisa empírica sobre causa e efeito na macroeconomia;
  • 2010 - Peter Diamond, Dale T. Mortensen e Christopher Pissarides, por sua análise de mercados com as chamadas "search frictions" entre oferta e demanda;
  • 2009 - Elinor Ostrom, por sua análise sobre governança econômica.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários