Tamanho do texto

Pesquisa do IBGE apontou que os gastos com habitação, transporte e alimentação representou 81% para as famílias com até 2 salários mínimos

ônibus arrow-options
Elisa Rodrigues/ SPTrans (16/06/2015)
O transporte pesou no bolso do brasileiro entre 2017 e 2018

Nesta sexta-feira (04) o IBGE divulgou parte da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-18. Entre os dados destaca-se a alimentação e habitação como os maiores gastos das famílias brasileiras que ganham até dois salários mínimos.

Leia também: Custo da cesta básica em setembro diminuiu em 16 capitais

O levantamento do IBGE traça um perfil do padrão de vida dessas famílias e como elas alocam suas despesas a partir de seus rendimentos.

Segundo o gerente da pesquisa, André Martins, alimentação, habitação e transporte correspondem a 81% das despesas das famílias . Mas, ele alerta para um fenômeno que vem crescendo entre a população.  

“Tem chamado a atenção a relação entre despesas fora de domicílio e no domicílio. A gente observou que, nas áreas rurais, essa participação da alimentação fora do domicílio tem, pesquisa a pesquisa, aumentado. Isso é uma questão de preocupação, porque às vezes a alimentação fora de casa está associada a fast foods, a tipos de alimentação que podem não ter a melhor recomendação nutricional”, explica.

A pesquisa também mostra que, pela primeira vez, o transporte ultrapassou os gastos com alimentação. Pela hierarquia, segundo Martins, vêm os gastos com habitação, agora o transporte e depois alimentação.

“Na hora de você ajustar seu orçamento, na alimentação você pode fazer algumas combinações. No transporte, não tem muito o que fazer, você tem que circular, você tem que trabalhar, então você não tem muitas opções de troca”, considera.

Desigualdade social

Os dados mostram ainda que menos de 3% das famílias concentram 1/5 de toda a renda do país. O número corresponde a quase dois milhões de famílias que ganham acima de R$ 23 mil, enquanto 16,4 milhões de famílias recebem menos de dois salários mínimos, o que corresponde a R$1,9 mil – 6% da renda total.

Com assistência à saúde, as famílias com menores rendimentos comprometiam 4,2% do orçamento com remédios, enquanto as que possuem maiores rendimentos gastavam 1,4%. Por outro lado, os gastos com planos de saúde eram de 0,4% entre a classe mais baixa de rendimento e de 2,9% na classe mais alta.

Leia também: Quanto custa morrer? Veja os preços das flores até a cremação

O estudo do IBGE também mostra que com educação, as famílias que ganham até dois salários mínimos tiveram participação de 1,9%. Já as famílias que ganham 25 salários mínimos representaram 5,1% entre 2017 e 2018.