Tamanho do texto

Dólar opera a R$ 4,12 nesta quinta-feira após recuo da produção industrial dos EUA; mudança da reforma da Previdência no Senado preocupa mercado

dólar e real arrow-options
Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas
Queda no valor do dólar não deve se consolidar como tendência, dizem analistas

O dólar comercial opera em queda nesta quinta-feira, afastando-se do patamar de R$ 4,15. A moeda americana registra variação negativa de 0,21% , valendo R$ 4,125. O que explica este comportamento é o cenário externo, com dados abaixo do esperado a respeito da atividade industrial dos Estados Unidos.

O Instituto para Gestão do Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) divulgou que seu índice da atividade industrial caiu a 51,2 em julho deste ano, nível mais baixo desde agosto de 2016.

Previdência deve passar neste mês: vale a pena tentar antecipar aposentadoria?

Na leitura dos analistas, porém, a tendência de queda do dólar não tende a ser muito longa .

"A economia americana segue crescendo, principalmente em relação aos outros países desenvolvidos. O resultado de julho da indústria, embora abaixo do esperado, ainda é positivo. O que observamos é o mercado se ajustando às divulgações dos números", destaca Álvaro Bandeira, economista-chefe do banco Modalmais.

Internamente, segue no radar dos investidores a tramitação da  reforma da Previdência no Senado. Na última terça-feira, o governo sofreu uma derrota e os senadores aprovaram um destaque e impactou em R$ 76 bilhões a economia da reforma.

Bolsonaro compara aprovação da reforma da Previdência com 'dura em moleque'

Os outros seis destaques foram rejeitados, mas a sinalização para o mercado, destacam os analistas, é de que será necessário mais articulação .

"A aprovação do destaque do abono salarial deu a indicação de que a base de apoio do governo é frágil. Serão necessárias outras reformas, algumas até mais importantes para a economia, como a tributária e o pacote de privatizações e concessões", avalia Bandeira.

"Elas são mais difíceis de serem negociadas, então exigirá mais articulação entre Executivo e Legislativo", concluiu.