Sessão solene do Congresso Nacional que promulgou parte da Emenda Constitucional que permitirá o leilão do Pré-sal
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Sessão solene do Congresso Nacional que promulgou parte da Emenda Constitucional que permitirá o leilão do Pré-sal

O Congresso Nacional promulgou, nesta quinta-feira (26), em sessão solene, parte da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da cessão onerosa que autoriza o governo a realizar o megaleilão de áreas de exploração e produção do pré-sal previsto para o início de novembro.

A medida é resultado de um acordo feito ontem entre os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o ministro da Economia Paulo Guedes, para que os trechos que já tinham o aval de deputados e senadores fossem levados à promulgação.

Congresso mantém veto de Bolsonaro que permite cobrança de bagagem

“A promulgação dessa medida é fundamental para o desenvolvimento do Brasil”, ressaltou o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que presidiu a sessão. O leilão é considerado um dos mais atrativos dos últimos anos.

O governo estima arrecadar, em bônus de assinatura, R$ 106,5 bilhões . Desse total, R$ 33,6 bilhões vão indenizar a Petrobras e R$ 72,8 bilhões serão distribuídos entre União, estados e municípios. Ainda não há consenso sobre a distribuição desse valor.

Petrobras deve receber 33,6 bilhões pelo contrato de concessão onerosa
Reprodução/Petrobras
Petrobras deve receber 33,6 bilhões pelo contrato de concessão onerosa


Você viu?



Rio de Janeiro

Pelo acordo, o governo federal se compromete a dar 3% de sua parte – de 70% dos R$ 72,8 bilhões – a estados produtores, no caso, o Rio de Janeiro , onde estão os blocos que serão explorados.

Dívida pública ultrapassa R$ 4 trilhões pela primeira vez em agosto, diz Tesouro

A fatia da União será  67% do total,  municípios ficarão com com 15% e os estados com 15%, sendo que Rio de Janeiro vai ganhar 3%, ou R$ 2,1 bilhões a mais.

 “Para o Rio de Janeiro, os 3% adicionais representam recursos importantes para recuperar a situação fiscal do estado. Vão dar um respiro a mais. Estamos ajudando a salvar o estado”, afirmou o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

O senador afirmou, ainda, que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, garantiu que é praticamente consenso a preservação dos 3%. “O que ainda se vai discutir é a destinação dos recursos”, concluiu.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários