Tamanho do texto

Oferecida por bancos como a Caixa, a modalidade é voltada para imóveis retomados; outra vantagem é não haver disputa, como ocorre nos leilões

imóveis leilões arrow-options
shutterstock
Imóveis desprezados em leilões têm descontos de até 50%

 A venda direta de imóveis tem sido uma alternativa para muitas famílias que estão à procura de unidades prontas e com preços abaixo da média. A modalidade é oferecida por bancos como a Caixa Econômica Federal e é voltada para imóveis retomados. Segundo a Caixa, 2.391 imóveis estão disponíveis para venda no estado, com valor médio de R$ 216 mil. As informações sobre o processo de venda podem ser encontradas em  www.caixa.gov.br/ximoveis .

Neste tipo de negociação, o imóvel ofertado já foi a leilão , mas não foi arrematado, sendo então negociado novamente. Segundo especialistas, é possível encontrar unidades com valores até 50% mais baixos, na comparação com os de mercado.

Leia também: Governo anuncia hoje a privatização dos Correios e de outras 16 empresas

De acordo com Patricia Curvelo, diretora da Investmais, assessoria de investimentos em ativos imobiliários, em alguns casos, além do valor mais baixo, o interessado pode financiar em até 30 anos e ainda usar o FGTS .

"Outra vantagem da venda direta é que não há disputa como acontece nos leilões . Este modelo tem atraído muitos interessados. Já registramos um aumento de 35% nos negócios fechados pela venda direta", afirma a diretora. Segundo ela, há ofertas em todo o país, com valores de R$ 150 mil a R$ 4 milhões.

O advogado Leandro Sender lembra que é recomendado contar com uma assessoria jurídica na aquisição de qualquer imóvel, pois diversos aspectos devem ser analisados. "Na venda direta é importante verificar se todos os requisitos do leilão foram devidamente cumpridos", salienta ele.

Os custos desse tipo de negociação vão do valor do leiloeiro a impostos e taxas cartorárias e processuais, no caso de posse por vias judiciais.

Precauções antes da compra

Outra precaução é saber se o imóvel está ocupado ou vazio. O comprador deve estar ciente de que uma desocupação pode demorar alguns meses, razão pela qual deve se preocupar. "A responsabilidade pela desocupação é sempre do comprador do imóvel", lembra Sender.

O advogado Hamilton Quirino destaca outro cuidado: saber se existe alguma ação judicial do mutuário que perdeu o imóvel contra o agente financeiro, para ver se haverá algum entrave no recebimento das chaves.

Quirino salienta também que é preciso examinar detidamente o imóvel (ocupado ou não), para saber o estado de conservação, conferir o preço de mercado do bem selecionado e checar outras despesas pós-compra. "Muitas vezes, o barato pode sair caro", lembra o advogado.

Além disso tudo, vale pesquisar sobre dívidas do imóvel perante o Condomínio e o IPTU, pois muitos mutuários, devedores das prestações, deixam de pagar os encargos, que acabam sendo assumidos pelo comprador. Se houver dívida, o advogado Leandro Sender orienta que deve ser negociada com o vendedor, que deverá arcar com esses valores.

Leia também: Minirreforma trabalhista: Senado vota MP da liberdade econômica nesta quarta

Principais dúvidas

Como faço para ter acesso às ofertas dos bancos?

É possível ter acesso pelos sites de leiloeiros e de bancos credores, como a Caixa Econômica.

Quais os custos deste tipo de negociação?

Em geral o interessado terá custos de leiloeiro, impostos e taxas cartorárias e processuais. Este último item se aplica em caso de posse por vias judiciais.

De quem é a responsabilidade pela desocupação do imóvel?

A responsabilidade pela desocupação é sempre do comprador. Assim, reforçamos a importância de ter uma assessoria jurídica apoiando todas as etapas.

Em quanto tempo o imóvel passa a ser do novo proprietário?

Considerando a propriedade, no Rio de Janeiro é possível receber o imóvel em até 60 dias. A conclusão do Registro de Imóveis varia em função da condição da compra (à vista ou por financiamento).

O pagamento na modalidade de venda direta tem que ser à vista ou pode ser parcelado? É possível usar o FGTS ou carta de consórcio?

A aquisição pode ser à vista ou financiada, a depender das condições de oferta do imóvel selecionado. No caso da Caixa Econômica, é possível usar o FGTS em alguns imóveis para o pagamento da entrada. Já o consórcio, por regras específicas da modalidade, não é permitido em imóveis retomados de nenhuma instituição.

Há ofertas de unidades residenciais e comerciais? E para veraneio?

Há ofertas de imóveis residenciais e comerciais, incluindo lotes e áreas para construção. O uso como moradia ou veraneio é de livre escolha do comprador.