Tamanho do texto

Número é o maior desde 2012, quando a PNAD começou a ser realizada; em um ano, 196 mil pessoas entraram para essa situação no Brasil; saiba mais

Um total de 3,35 milhões de desempregados no país estão em busca de emprego há pelo menos dois anos. Isso significa que, de todos os desocupados no Brasil, um em cada quatro, ou 26,2%  estão nessa situação desde 2017. Os números do segundo trimestre deste ano são recorde desde o início da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), em 2012.

Leia também: Em busca de emprego? Confira 6 erros que você não pode cometer no currículo

Mulher segurando a carteira de trabalho arrow-options
CNM/CUT
Busca por emprego também tem o menor recuo, comparado ao trimestre anterior, com 12% de diminuição de desemprego

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo os números, no segundo trimestre de 2018 o contingente de desempregados procurando trabalho há no mínimo dois anos tinha menos 196 mil pessoas, ou seja, era de 3,15 milhões.

No segundo trimestre de 2015, o total era de 1,43 milhão de pessoas, ou seja, menos da metade do segundo trimestre deste ano.

“A proporção de pessoas à procura de trabalho em períodos mais curtos está diminuindo, mas tem crescido nos mais longos. Parte delas pode ter conseguido emprego, mas outra aumentou seu tempo de procura para os dois anos”, avalia a analista da PNAD Contínua Adriana Beringuy.

Leia também: IBGE rebate Bolsonaro e defende metodologia usada para calcular desemprego

Recuo do desemprego

Além de mais tempo em busca de uma oportunidade, no segundo trimestre, a taxa de desemprego do país recuou para 12%, percentual inferior aos 12,7% do primeiro trimestre deste ano e aos 12,4% do segundo trimestre de 2018.

A taxa caiu em dez das 27 unidades da Federação na passagem do primeiro para o segundo trimestre deste ano, segundo os dados divulgados nessa quinta-feira. As maiores quedas ocorreram no Acre, de 18% para 13,6%, Amapá, de 20,2% para 16,9%, e em Rondônia, de 8,9% para 6,7%. Nas outras 17 unidades da Federação, a taxa se manteve.

Na comparação com o segundo trimestre de 2018, a taxa subiu em duas unidades, Roraima (de 11,2% para 14,9%) e Distrito Federal (de 12,2% para 13,7%), e caiu em três: Amapá (de 21,3% para 16,9%), Alagoas (de 17,3% para 14,6%) e Minas Gerais (de 10,8% para 9,6%). Nas demais unidades, a taxa ficou estável.