Tamanho do texto

Cenário instável de crise no Brasil afeta nos números de demissões

Carteira de trabalho
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Alto índice se deve ao cenário de crise e incertezas no Brasil

Uma pesquisa feita pela I Dados Consultoria mostra que o trabalhador que entra no primeiro emprego  fica, em média, quatro meses na empresa contratante, o que é praticamente o tempo do contrato de experiência de 90 dias. Após esse período, quase metade dos profissionais é desligada pelas empresas.

Leia também: Brasil tem segunda maior taxa de homicídios da América do Sul, aponta ONU

Os dados coletados se referem aos anos de 2011, 2013, 2015 e 2017, a partir da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), um relatório de informações socioeconômicas solicitado pelo antigo Ministério do Trabalho e Emprego — atual  Ministério da Economia.

O   desligamento por fim de contrato  teve o maior índice de crescimento, subindo de 35%, em 2011, para 48,3%, em 2017. A  demissão sem justa causa  caiu de 27,2%, em 2011, para 23,4%, em 2017.

Débora Nascimento, diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Rio de Janeiro ( ABRH-RJ ), comentou que é preciso avaliar os números sobre os dois lados envolvidos: do empregador e do empregado .

"Da parte da empresa, podem haver detalhes que, na hora do recrutamento e seleção, ela não conseguiu mapear corretamente no perfil do candidato. Então, o empregador se aproveita do período de experiência para fazer essa análise e avalia que a pessoa não é a candidata adequada", afirmou Débora.

A diretora também diz que o cenário instável de crise pode afetar nas demissões: "As estratégias das empresas estão mudando rapidamente. Muitas vezes, é preciso fazer o desligamento porque a função ou a área não vai mais existir, e o desligamento da pessoa que está no período de experiência acaba custando menos do que de um funcionário mais antigo".

A pesquisa também mostra que o  desligamento por pedido de demissão  por parte do empregado diminuiu de 32,6%, em 2011, para 22,2%, em 2017. Débora diz que a crise também afeta o lado do empregado, que muitas vezes não pede demissão para não ficar sem emprego.

Leia também: Ministros são exonerados para aumentarem votos a favor da reforma na Câmara

"As pessoas não querem ir para o mercado instável e acabam se submentendo a tarefas e funções não muito satisfatórias. O período de experiência também é o momento para o profissional avaliar a empresa em que está entrando, porque é no dia a dia que vai se conhecer a dinâmica do trabalho . Muitas vezes, as pessoas acabam pedindo para sair porque analisam que a oportunidade de trabalho não era aquela que foi imaginada na hora da contratação ", afirmou.