Tamanho do texto

Presidente disse ainda que se "estivesse defendendo sexualização e uso de drogas", a esquerda estaria o "idolatrando"; declaração foi dada no Twitter

Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 5.7.19
Bolsonaro diz sofrer ataques da esquerda por defender trabalho infantil

Depois de defender o trabalho infantil , em transmissão ao vivo na noite de quinta-feira (4), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a falar do tema em seu perfil na rede social, nesta sexta-feira (5).

No início da tarde, Bolsonaro disse, no Twitter, que está sofrendo ataques da esquerda por defender que 'nossos filhos sejam educados para desenvolver a cultura do trabalho desde cedo'. "Se eu estivesse defendendo sexualização e uso de drogas, estariam me idolatrando. Essa é a verdade!", escreveu.

Na quinta-feira, o presidente usou o próprio exemplo para dizer que "não foi prejudicado em nada" por ter colhido milho aos "nove, dez anos de idade" em uma fazenda de São Paulo.

Leia também: Entenda por que o trabalho infantil, defendido por Bolsonaro, é ilegal

Aos seus seguidores no Facebook, ele declarou ainda que "o trabalho dignifica o homem e a mulher, não interessa a idade", mas alertou que não apresentaria nenhum projeto de lei para descriminalizar a prática por saber que "seria massacrado".

Brasil tem 1,8 milhão de crianças e jovens com idade entre 5 e 17 anos que trabalham e não deveriam, segundo os últimos dados da Pnad Contínua divulgados pelo IBGE e referentes a 2016.

Do total de crianças que estavam no mercado de trabalho em 2016, 34,7% eram do sexo feminino e 65,3%, do sexo masculino. E a jornada de trabalho infantil variava conforme a idade: menores de 5 a 9 anos trabalhavam em média oito horas por semana. Já os que tinham entre 16 e 17 anos, dedicavam 28,4 horas ao trabalho, segundo a pesquisa.