Tamanho do texto

Cálculo da aposentadoria será feito com base na medida dos dois salários recebido, o que, segundo especialistas, corrige injustiças

A Medida Provisória (MP) 871, também conhecida como MP das Fraudes , foi sancionada no último dia 18 pelo presidente Jair Bolsonaro e virou a Lei 13.846/2019, que visa combater o pagamento de benefícios irregulares no Instituto Nacional do Seguro Social ( INSS ). Além de estabelecer o pente-fino, a norma faz mudanças em alguns benefícios, como auxílio-reclusão , salári o-maternidade , entre outros. Mas para quem trabalha em dois empregos, de forma concomitante, haverá uma mudança positiva. 

Com a MP das Fraudes , a partir de agora o cálculo da aposentadoria será feito com base na média dos dois salários recebidos. Antes, era aplicado o Fator Previdenciário sobre a remuneração do emprego mais recente.

Leia também: INSS suspende repasses a associações de aposentados após descontos indevidos

Para Adriane Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), a mudança acaba com uma situação de injustiça com o trabalhador .

"Judicialmente, esse cálculo da soma dos dois benefícios para tirar a média já era aceito. E como já havia essa jurisprudência, gerava uma judicialização excessiva e gastos para o INSS. A lei acaba com esse problema. Era uma injustiça, porque a pessoa que trabalhava em dois empregos tinha o benefício calculado com base no mais antigo, por mais que o salário fosse menor. E no secundário, usava-se o Fator Previdenciário, que dava muito pouco", explica.

Leia também: Saiba quem vai passar pelo pente-fino do INSS e como benefícios serão analisados

O fator, neste caso, era calculado dividindo-se o tempo de contribuição da atividade secundária, pelo tempo total.

Por exemplo, se um homem trabalhou durante 35 anos em uma empresa recebendo R$ 3 mil, e nos últimos 10 anos trabalhou também em outro emprego, ganhando R$ 5 mil, a aposentadoria seria calculada com base no salário de R$ 3 mil. Pelo segundo emprego, ele receberia 0,2857 (10 dividido por 35), que em valores, equivale a R$ 857,10.

Assim, pela regra antiga, ele receberia uma aposentadoria de R$ 3.857,10. Com a MP das Fraudes , será feita a média aritmética simples, e esse trabalhador receberá R$ 4 mil.