Tamanho do texto

Na semana passada, o presidente afirmou que vai trocar o comando da empresa devido ao fato de o general Juarez Cunha agir como “sindicalista”

Otávio do Rêgo Barros
José Dias/PR
Rego Barros afirmou que presidente ainda não decidiu quando fará a mudança no comando dos Correios

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rego Barros, disse nesta terça-feira (18) que o presidente Jair Bolsonaro ainda não decidiu o momento adequado de realizar a troca do presidente dos Correios, general Juarez Cunha. Na semana passada, o presidente afirmou que vai trocar o comando da empresa devido ao fato de Cunha agir como “sindicalista” .

Leia também: "Privatização dos Correios ganha força em nosso governo", anuncia Bolsonaro

"Ele [Bolsonaro] ainda não decidiu com relação ao momento da efetivação e, tampouco, por consequência, possui um nome já avaliado e acordado por ele e o Ministério da Ciência, Tecnologia, disse Rego Barros , durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto .

A demissão do presidente dos Correios foi anunciada pelo presidente na última sexta-feira (14), durante um café com jornalistas. Em abril, Bolsonaro já havia autorizado estudos para a desestatização da companhia e, em uma publicação no Twitter no início do mês, disse que o tema tinha voltado a ganhar força.

Com 356 anos de existência, a empresa é subordinada hoje ao Ministério das Comunicações, Ciência, Tecnologia e Inovação. Após prejuízos registrados entre 2013 e 2016, a estatal registrou lucro de R$ 161 milhões em 2018 e de R$ 667,3 milhões em 2017.

Ronaldinho Gaúcho

Bolsonaro e Ronaldinho
Reprodução/Twitter
Craque esteve ao lado do presidente nesta segunda-feira

Nesta segunda-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro recebeu o ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho . Segundo o porta-voz, o ex-atleta é amigo de Bolsonaro e, durante o encontro, demonstrou  sua disponibilidade para ajudar a formar opinião e "mostrar o Brasil em âmbito internacional por meio de suas mídias sociais.

PGR

Questionado sobre a escolha do sucessor de  Raquel Dodge no comando da Procuradoria-Geral da República (PGR), Rego Barros disse que o presidente vai levar em consideração "todas as circunstâncias" para definir o nome do novotitular. O mandato de Raquel Dodge termina no dia 18 de setembro, e a escolha dos nomes que vão formar a lista tríplice para o cargo será realizada amanhã (18) por mais de mil procuradores da República de todo país. De acordo com o porta-voz, o presidenete vai definir o nome do escolhido até setembro.

Leia também: Procuradores votam indicação para a PGR, mesmo sem compromisso de Bolsonaro