Tamanho do texto

Segundo pesquisa, inflação de itens que podem se enquadrar no programa ou presente ideal ficou em 2,35% entre junho de 2018 e maio deste ano. Confira

casal trocando presentes
Reprodução
Presente do Dia dos Namorados deve pesar menos no bolso neste ano, diz FGV

O presente do Dia dos Namorados neste ano não vai pesar tanto no bolso dos casais. É o que indica levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/IBRE) com produtos e serviços mais consumidos para comemorar a data.

Leia também: Vendas do Dia dos Namorados não devem crescer mais de 2% neste ano

Segundo a pesquisa, a inflação desses itens ficou em 2,35% entre junho de 2018 e maio deste ano, abaixo da registrada pelo IPC-10 da FGV para o mesmo período (5,06%). Confira as variações de preços a seguir.

Programas como ir ao teatro e shows musicais são uma boa aposta para o dia 12 de junho . Os serviços ficaram 14,92% e 2,81% mais baratos, respectivamente. Curtir um cineminha a dois (6,83%), comer em bares e lanchonetes (4,01%) ou restaurantes (3,31%) e passar uma noite no hotel/motel (3,04%) são programas que ficaram mais caros. Essas opções subiram mais do que a inflação média do Dia dos Namorados (2,35%).

"Os preços estão convidativos, mas a economia está fraca. Poucas oportunidades de emprego tendem a diminuir o consumo. Usar a criatividade e gastar com moderação é uma boa estratégia para celebrar o Dia dos Namorados", pontuou André Braz, coordenador do IPC da Fundação.

Outra boa notícia diz respeito aos preços dos presentes. Em média, o aumento foi de 1,22%, abaixo da inflação medida pelo IPC-10 no mesmo período. Dentre as opções que tiveram quedas em seus preços estão: calçados femininos (-1,02%), perfumes (-0,99%), relógios (-0,73%), calçados masculinos (-0,26%) e aparelhos de DVD e Blu-Ray (-0,23%). Ainda nesse segmento, a maior alta foi registrada nos preços de cintos e bolsas (7,39%).

Leia também: Lojas vendem produtos “fora da caixa” com até 80% de desconto

Segundo o economista da FGV, evitar parcelamentos é uma boa estratégia para manter o orçamento no azul. "Compras à vista de presentes que cabem no orçamento são indicados", ponderou Braz.