Brasil Econômico

homem encostado na parede
Pxabay
Número de pessoas autodeclaradas pretas ou pardas subiu 1,9 ponto percentual desde 2012


O número de brasileiros que se autodeclara preto ou pardo aumentou no ano passado. De acordo com dados da Pnad Contínua, divulgada nesta terça-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2018, 9,3% dos brasileiros se diziam pardos, 9,3% pretos e 43,1% brancos. 

Leia também: Número de mulheres que chefiam lares sobe pela 3ª vez, mas ainda é minoria

Os números são bem maiores do que os pesquisados há sete anos atrás. Em 2012, segundo o IBGE , as pessoas declaradas brancas totalizavam 46,6%, enquanto 45,3% se diziam pardas e 7,4%, pretas.

Para a analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, a mudança nos índices não indica necessariamente um aumento de nascimentos de pessoas pretas ou pardas , mas principalmente uma expansão no número de pessoas que se reconhecem como tal.

Número de idosos também aumenta no Brasil

Em um ano, o Brasil também ganhou quase dois milhões a mais de idosos . Em 2018, as pessoas com idades acima de 59 anos  já eram 31,9 milhões e representavam 15,4% da população. No ano anterior, elas representavam 14,6%.

O número de pessoas com menos de 30 anos, por sua vez, segue em queda. Em 2012, primeiro ano da série histórica da pesquisa do IBGE, essa faixa etária correspondia a 47,6% da população. Em 2018, eram 42,9%. Em relação ao total da população no ano passado, 24,8% tinha entre 0 e 17 anos; 10,9% possuía entre 18 e 24 anos; e 7,2% tinha de 25 a 29 anos de idade.

Leia também: Bolsonaro ataca IBGE, diz que não é fácil ser patrão e se isenta por desemprego

Para Adriana, a queda da população com idade para ingressar no mercado de trabalho , associada ao aumento do número de idosos, gera a necessidade de se pensar políticas públicas para atender a esses grupos. "A gente tem que pensar em políticas públicas para os idosos, que estão aumentando, e pensar como o mercado de trabalho irá receber estes jovens que logo ingressarão nele. Além disso, é necessário expandir o número de creches que atendam às mães, que, embora estejam tendo menos filhos, estão cada vez mais envolvidas com o mercado de trabalho", explica.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários