Tamanho do texto

Apesar disso, inflação de 0,57% em abril é menor do que a de março, quando estava em 0,75; no acumulado de 12 meses, IPCA chegou a 4,94%

Mulher fazendo compras no supermercado
Tânia Rêgo/Arquivo/Agência Brasil
Consumidores pagaram mais caro pelos alimentos em abril


Influenciado pelo aumento nos preços dos alimentos, combustíveis e remédios, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do Brasil, ficou em 0,57% em abril, de acordo com informações divulgadas nesta sexta-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Leia também: Após bloquear quase R$ 30 bilhões, governo fará novo corte ainda este mês

Esse é o maior valor para um mês de abril desde 2016, quando a taxa ficou em 0,61%. Juntos, os grupos de alimentação e bebidas, transportes e saúde e cuidados pessoais, que mais apresentaram alta nos preços, foram responsáveis por 89,5% do valor da inflação do mês.

Confira:

  • Transportes: +0,94% 
  • Alimentação e Bebidas: +0,63% 
  • Saúde e Cuidados Pessoais: +1,51% 
  • Habitação: +0,24% 
  • Vestuário: +0,18%
  • Despesas Pessoais: +0,17% 
  • Educação: +0,09%
  • Comunicação: +0,03% 
  • Artigos de Residência: -0,24%

J"Juntos, os três maiores grupos tem impactos de 0,16 ponto percentual (p.p.), 0,17 p.p. e 0,18 p.p., respectivamente", destacou o IBGE. Individualmente, os maiores aumentos nos preços foram com a gasolina, que subiu 2,66% e os remédios, 2,25%, que sofreram aumento no fim de março .

Apesar disso, a inflação de abril é menor do que a registrada em março, quando estava em 0,75%. No acumulado em 12 meses, o  IPCA atingiu 4,94%. Esse resultado é o mais alto desde janeiro de 2017, quando a inflação acelerou 5,35%.