Tamanho do texto

Segundo o Banco Central, a alta em 2019 já é de 10,1 pontos percentuais; na média, juros do País ficaram em 25,3% ao ano no mês de março. Confira

taxa de juros do cheque especial
Marcos Santos/USP Imagens
Juros do cheque especial atingiram 322,7% em março deste ano, o maior valor desde o mesmo mês de 2018

A taxa de juros do cheque especial voltou a subir em março deste ano e alcançou o maior patamar desde o mesmo mês de 2018, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (26) pelo Banco Central. Os juros nessa modalidade, que é a mais cara do mercado, encerraram o mês passado em 322,7% ao ano, alta de 10,1 pontos percentuais em relação à cobrada no início do ano.

Leia também: Após veto de Bolsonaro, ações de estatais precisarão de aprovação do Planalto

Na média, os juros no País ficaram em 25,3% ao ano, incluindo pessoas físicas e jurídicas, de acordo com o BC. O aumento dos juros ocorre mesmo com os esforços da autoridade monetária para reduzir o custo do crédito no Brasil. Desde julho do ano passado, clientes que consomem mais de 15% do cheque especial durante 30 dias seguidos recebem dos bancos a oferta de uma opção de crédito com taxas de juros mais baixas.

Segundo o relatório do banco público, outras modalidades de empréstimo também registraram aumentos de preço em março. A taxa de juros cobrada no crédito pessoal não consignado , por exemplo, subiu a 123,7% ao ano, com alta de 16,4 pontos percentuais em relação ao início do ano, apesar de ser apontada uma redução de 1,3 ponto na comparação com março do ano passado.

Leia também: Livraria Cultura rebate e chama denúncias de trabalhadores de "distorções"

A taxa de inadimplência ficou estável no mês passado, em 2,8%, a mesma registrada em fevereiro e 1,6 ponto menor que a apurada em março de 2018, diz o BC. Segundo a Seresa Experian, marca brasileira de análises e informações para decisões de crédito e apoio a negócios, no entanto, o total de inadimplentes subiu mais, 3,2%, e atingiu a máxima histórica, passando a atingir 63 milhões de brasileiros, o que representa 40,3% da população adulta brasileira.