Tamanho do texto

Entre as medidas firmadas estão a eliminação de "multas desnecessárias" e reajuste da tabela do frete vinculada ao preço do diesel; na semana passada, governo já havia lançado 'pacote caminhoneiro' para agradar a categoria

Ministro da Infraestrutura%2C Tarcísio Gomes de Freitas
Reprodução/Twitter
O Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, negociou medidas para que caminhoneiros desistissem de fazer uma nova greve


Representantes dos caminhoneiros e Integrantes da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) declararam, nesta segunda-feira (22), que desistiram de fazer a  nova greve da categoria programa para o início da próxima semana (29) .

A decisão dos caminhoneiros foi tomada após uma reunião de mais de cinco horas com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que firmou um acordo com a categoria. Segundo o ministro, foram prometidas medidas como o reajuste da planilha da tabela de frete, uma das principais reivindicações do grupo. 

"Construímos em conjunto agenda de trabalho que envolve eliminação de multas injustas, transferência do custo do diesel para tabela de frete, fiscalização dessa referência de custo e termo de compromisso com entidades representantes para tornar a fiscalização mais efetiva", escreveu Freitas em sua conta no Twitter.





Confira os principais pontos do acordo firmado para evitar uma nova greve dos caminhoneiros :

  • Eliminação de “multas desnecessárias” a caminhoneiros que fizerem denúncias de descumprimento da tabela do frete ;
  • Reajuste da tabela do frete de acordo com as mudanças do preço do diesel ;
  • Promoção de uma "fiscalização efetiva" do piso mínimo do preço do frete;
  • Termo de compromisso para tornar "mais efetiva a fiscalização" do cumprimento da tabela de frete mínimo.

Após o encontro, que reuniu reuniu cerca de 30 representantes de 11 entidades sindicais da classe, além de um grupo de caminhoneiros autônomos, o  presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno, confirmou a desistência da greve. "Eu acho que nós conseguimos administrar essa condição de momento e não deve haver paralisação de caminhoneiros neste momento. A representação dos caminhoneiros está conseguindo conversar com o governo", disse.

Governo já havia lançado medidas para caminhoneiros na semana passada

Homem enrolado na Bandeira do Brasil em frente a um caminhão
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Para evitar nova greve de caminhoneiros, governo federal já lançou dois pacotes de medidas para atender demandas da categoria


Na terça-feira passada (16), diante dos rumores de paralisação , o governo já havia apresentado um  pacote de medidas para a categoria, que foi chamado de ' pacote caminhoneiro '.

Entre as medidas, estão a adoção de uma linha de crédito de R$ 500 milhões, em que cada caminhoneiro terá acesso a um financiamento de até R$ 30 mil (o dinheiro servirá para que os profissionais possam comprar pneus e realizar a manutenção de seus veículos); a promessa de conclusão e manutenção de obras de infraestrutura nas principais rodovias do País, como BR 163, BR 135 e BR 242 e desburocratização da documentação dos caminhoneiros , por exemplo.