Tamanho do texto

Oficialmente chamada de Open Sine, medida facilitaria contratações, eliminando a intermediação do governo entre candidatos e empresas

Homens apertando as mãos e firmando acordo
shutterstock
Ampliação da utilização do Sine foi primeiro passo para a criação do "Tinder do emprego"


Entre as 35 metas propostas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para serem cumpridas dentro dos 100 primeiros dias de governo, ampliar a "utilização de dados de trabalhadores do Sine (Sistema Nacional do Emprego), abrindo cadastro para empresas privadas", também conhecida como Sine Aberto, era uma delas. 

O objetivo da proposta, cumprida no dia 28 de março, era liberar o banco de dados de trabalhadores desempregados do Sine para empresas cadastradas com vagas abertas, facilitando a contratação dessas pessoas.

Agora, com a primeira etapa do Sine Aberto cumprida,  o próximo passo do programa, que está em estudo pelo Ministério da Economia, é criar um " Tinder do emprego ". O "Tinder", que na verdade foi batizado de Open Sine , funcionaria como um banco de dados aberto, que pode ser acessado diretamente por empresas em busca de candidatos às suas vagas.

Leia também: Desemprego sobe para 12,4% em fevereiro e atinge 13,1 milhões de brasileiros

Dessa forma, os responsáveis pela área de Recursos Humanos (RH) de cada empresa podem acessar os dados de desempregados de todo o País e encontrar, mais facilmente, uma pessoa que tenha perfil compatível com o que procura. Tudo sem a mediação do governo.

O projeto deve ser chefiado pelo secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade, Carlos da Costa,  que declarou que a equipe responsável pela criação do "Tinder" ainda estuda quais informações são importantes para facilitar o " match " (ou seja, o encontro) entre empresa e trabalhador.

Leia também: 100 dias de Bolsonaro têm muito discurso e poucas ações concretas na economia

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense , Costa afirmou que a modernização do Sine pode gerar diversos postos de trabalho. “Vamos usar a inteligência artificial para melhorar a qualidade dessas informações captadas na ponta e criar um aplicativo mais amigável para o usuário colocar as informações. Isso tem um potencial para criar milhões de empregos”,  explicou.