Tamanho do texto

Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, apresentará estudo ao presidente sobre os impactos que a medida pode trazer ao País; Parlamento Europeu aprovou o fim do horário de verão a partir de 2021. Entenda decisão

undefined
shutterstock
Segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o fim do horário de verão será decidido pelo presidente Bolsonaro

O governo federal estuda acabar com o horário de verão e caberá ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) tomar uma decisão a partir da próxima semana. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, elaborou, a pedido do presidente, um estudo sobre os impactos que a medida traria ao País a partir de 2020.

Leia também: Brasil cai para 27º em ranking de exportações, atrás de Malásia e Vietnã

"O presidente Bolsonaro, há uma semana, mandou que eu estudasse e apresentasse a ele essa questão do horário verão , para ele poder decidir. Os estudos estão praticamente encerrados. Isso é um estudo permanente do ministério", disse Albuquerque a jornalistas, em Israel. O ministro participa da comitiva da visita oficial do presidente brasileiro ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu .

"A minha opinião técnica vou dar ao presidente", afirmou, justificando que não anteciparia nenhuma posição antes da conversa com  Bolsonaro sobre o assunto. "Não é uma análise isolada, apenas em termos de economia. Entram também outros fatores", defendeu. Segundo o ministro relembra, é público que, no passado, o presidente se mostrou contrário à manutenção da mudança no horário.

Na última semana, o Parlamento Europeu aprovou o fim do horário de verão em todo o continente a partir de 2021. O documento ressalta, no entanto, que os Estados-membros devem “dispor de tempo e da possibilidade de realizarem as suas próprias consultas públicas e avaliações de impacto, a fim de compreender melhor as implicações da abolição das mudanças de hora em todas as regiões”. 

Leia também: "Feita para enganar a população", diz Bolsonaro sobre taxa de desemprego do IBGE

Albuquerque afirmou que "ele [Bolsonaro] tem muito interesse [no assunto]", o que motiva o pedido por um estudo detalhado sobre os impactos que a mudança traria. O principal critério a ser considerado, segundo ele, é "o pico de luz". Ele justifica que "Em 2019 tivemos vários recordes de consumo e o sistema suportou". Porém, também é levado em consideração, de acordo com o titular da pasta, o aspecto turístico. Em muitas cidades, o horário de verão favorece as atividades econômicas.