Brasil Econômico

undefined
Pedro França/Agência Senado
Campos Neto, indicado à presidência do Banco Central, será sabatinado na próxima terça-feira (26)

A Comissão de Assunto Econômicos do Senado Federal (CAE) marcou para a próxima terça-feira (26) a sabatina de Roberto Campos Neto, indicado à presidência do Banco Central (BC). A votação que decide se o economista fica com o cargo deve acontecer no mesmo dia.

Leia também: Lucro líquido do Banco do Brasil cresce 16,8% e chega a R$ 12,8 bilhões em 2018

O relator da indicação de Campos Neto ao Banco Central , senador Eduardo Braga (MDB-AM), leu o relatório nesta terça-feira (19), e afirmou que o nome reúne as condições de ser analisado pela CAE. Os senadores pediram mais tempo para analisar a indicação até a próxima semana.

Durante a leitura do documento, o senador do DEM afirmou que Campos Neto tem uma longa carreira no sistema financeiro e que a sabatina para a presidência do BC será  uma oportunidade para que sejam discutidos temas de grande impacto na vida dos cidadãos e empreendedores, como as taxas de juros cobradas no País.

“Como a Selic é de 6,5% ao ano e para o consumidor e empresário a taxa chega a uma variável que vai de 35% a 250%? Será que não é falta de concorrência? Será que não estamos com o mercado financeiro muito fechado com o monopólio de três bancos privados e dois públicos?”, questionou Braga.

Os juros altos e a concentração no setor bancário já foram citados por outros senadores, como o filho do presidente da República,  Flávio Bolsonaro (PSL) , que afirmou que não é contra os bancos lucrarem, desde que esse ganho não seja fruto da falta de concorrência e do protecionismo - que segundo ele impedem que outros bancos entrem no mercado brasileiro.

Conheça o indicado à presidência do Banco Central

undefined
Divulgação
Roberto Campos Neto, indicado ao cargo de presidente do Banco Central, passará por sabatina no Senado

Roberto Campos Neto, como sugere seu nome, é neto de Roberto Campos, que foi ministro do Planejamento de Castelo Branco durante a ditadura militar. O indicado pelo governo ao BC tem 49 anos e construiu sua carreira como operador financeiro. 

Leia também: Economia brasileira cresceu 1,1% em 2018: "Foi um ano perdido", afirma FGV

Campos Neto tem perfil liberal, é apoiador de medidas que restrinjam o tamanho do estado, sendo portanto próximo de Paulo Guedes. Formado em economia pela Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e com especialização em finanças, ele já ocupou funções no Banco Bozano Simonsen, no banco Claritas e no Santander Brasil, último posto antes da indicação para o Banco Central .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários