Tamanho do texto

Para voos domésticos, valor passará de R$ 31,27 para R$ 32,95; reajuste ficou acima da inflação medida pelo IPCA, que fechou 2018 em 3,75%

Reajuste se refere às tarifas de embarque, conexão, pouso e permanência nos aeroportos administrados pela Infraero
Divulgação/Gol
Reajuste se refere às tarifas de embarque, conexão, pouso e permanência nos aeroportos administrados pela Infraero

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) autorizou, nesta quarta-feira (16), um reajuste de 5,39% nas tarifas de embarque, conexão, pouso e permanência nos aeroportos administrados pela Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária). A resolução foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União.

Leia também: Bolsonaro comemora concessão de rodovia e fala em gerar 4 mil empregos

Com o aumento, as tarifas de embarque doméstico a serem pagas pelos passageiros saltarão dos atuais R$ 31,27 para R$ 32,95. Para embarque internacional, o valor passará para R$ 58,35.  As novas tarifas podem ser aplicadas 30 dias depois que a Infraero fizer a divulgação oficial do reajuste. 

Nas viagens internacionais, junto com a tarifa de embarque, os passageiros ainda pagam até US$ 18 adicionais, referentes ao Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC).

O reajuste ficou acima da inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). No ano passado, segundo o IBGE, índice ficou em 3,75%, dentro da meta estipulada pelo governo no ano anterior.

Destino da Infraero

Marcelo Camargo/Agência Brasil
"[A Infraero] vai acabar", declarou Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura, ao jornal O Estado de S. Paulo

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) quer conceder todos os aeroportos do Brasil à iniciativa privada e acabar, num prazo de aproximadamente três anos, com a Infraero, estatal que hoje administra essa rede. A declaração, concedida ao jornal  O Estado de S. Paulo , é do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Leia também: Infraero "vai acabar", diz ministro da Infraestrutura a jornal

"[A Infraero] vai acabar", disse Freitas, que já foi diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. A única dúvida, segundo o ministro, é se a estatal será privatizada como uma empresa de administração de aeroportos ou se, ao final do processo, será extinta.

A Infraero vem enfrentado problemas financeiros desde o início do programa de concessões de aeroportos, no governo de Dilma Rousseff (PT). Desde então, terminais de grande movimento, como o de Brasília, Guarulhos (SP) e Galeão (RJ), deixaram de fazer parte da base de aeroportos administrados pela empresa brasileira.

A estatal chegou a entrar como sócia em diversas dessas concessões , mas isso, num primeiro momento, acabou aprofundando seu problemas de caixa. De acordo com o ministro de Bolsonaro, essas participações também serão vendidas nos próximos quatro anos.

Com o processo de privatização da Infraero, parte dos funcionários da estatal continuarão vinculados a ela, mas serão transferidos a uma nova empresa de controle aéreo. O restante já integra um programa de demissão voluntária, que está sendo bancado com os recursos obtidos a partir das concessões.

Leia também: Comandante da Marinha deve chefiar Conselho de Administração da Petrobras

Segundo Freitas, cerca de mil funcionários estão sendo demitidos da empresa brasileira anualmente. No início do programa de concessões, a Infraero tinha 12 mil empregados; hoje, são apenas 9 mil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.