Tamanho do texto

Sem espaço nos gramados, Mauricio Nassar teve que se reinventar fora dos campos e acabou virando referência quando assunto é moda de famosos

A carreira de jogador de futebol profissional não é só glamour como a grande maioria das pessoas possa imaginar. Na realidade, grande parte dos atletas enfrenta uma batalha muito complicada pelo País. A missão fica ainda mais difícil quando falamos de um ex-jogador.

Leia também: Analista de sistemas decide arriscar e abre hamburgueria em São Paulo

Jogadores da Seleção Brasileira usando roupa da Ellegoá
Divulgação
Jogadores da Seleção Brasileira usando roupa da Ellegoá

No Brasil, nós temos milhares de jogadores espalhados pelos gramados. Muitos deles sobrevivem com um salário baixo e acabam abandonando a carreira depois de não conseguir manter a família. O ex-jogador Mauricio Nassar teve esse destino e precisou se reinventar.

"Sempre tentei jogar como profissional. Me profissionalizei em 2012 pela Matonense em SP, passei pelo Atlético de Sorocaba, Juventus da Mooca e depois fui jogar no Rio de Janeiro, onde atuei pelo Duque de Caxias e Tigres-RJ", diz o ex-atleta. 

Mauricio, hoje com 27 anos, conta que em muitos clubes o planejamento não é o correto e isso reflete no bolso dos jogadores. Em 2015, o atleta se viu vítima desse cenário. "Fui sacar um dinheiro no banco um dia e não tinha nada, fui em outro banco e não tinha limite. Então, eu resolvi desistir de jogar bola. A gente fica naquela que vai dar certo, que uma hora vai, mas não tem jeito. A idade vai chegando e você precisa ter dinheiro", segue Mauricio.

Da carreira de jogador, Mauricio só trouxe dívidas. "Eu voltei para São Paulo e fui morar com meus pais, não tinha nada no bolso e precisava me reinventar. Mas eu sempre fui um cara que soube aproveitar oportunidades, isso me ajudou muito", conta Mauricio.

Leia também: Casal busca sonho do sucesso na área alimentícia e vê faturamento crescer 100%

A moda entrou na vida do ex-jogador meses depois que ele largou a carreira. "Eu gostava de ter roupa boa e diferente, um dia resolvi comprar em um site importado. Lembro que comprei 4 camisetas. O dólar estava barato na época e eu acabei gastando pouco. Nisso, alguns caras do meu prédio viram as roupas e acabei vendendo para eles. Comprei por R$ 15 e vendi por R$ 70. Na mesma hora, eu já fui lá e comprei mais. Virou uma bola de neve, eu comprava e já tinha gente pedindo para levar."

Mauricio conta que chegou a gastar R$ 7 mil com compras no exterior. "Montei uma página no Facebook e vendia tênis, camiseta, calça. Foi aí que pensei a começar a viver disso. Eu ia para baladas, as pessoas viam as roupas e lembravam que era jogador e queriam usar também aquelas roupas que estavam comigo", lembra.

Craque do Real Madrid, Vinícius Júnior também usa a marca de roupas
Divulgação
Craque do Real Madrid, Vinícius Júnior também usa a marca de roupas

Nessa época, Mauricio conta que conheceu dois empresários que impulsionaram ainda mais os negócios. "Eles eram varejistas, eu comecei a pegar roupas deles e vender. Eu vendia tanta coisa que parei de comprar de fora e só fazia negócio com eles. Eu vendia 10 pares de tênis por dia, tinha muita pegada e conhecia muita gente", diz.

Os empresários perceberam a fome de vender que Mauricio tinha e convidaram o ex-jogador para uma sociedade. Eles abriram uma loja de roupa feminina com outra investidora. "Nessa fase, eu já tinha duas lojas minhas e entrei nessa terceira. Eu fazia bastante dinheiro, mas aí veio a crise".

O ex-jogador e agora empresário se viu obrigado a deixar a sociedade sem levar nada. "A loja feminina ia quebrar, eu tinha feito uma baita investimento e deixei tudo ali, saí sem nada. Uma das outras loja que eu tinha foi roubada duas vezes em dois meses e perdi nessa história uns R$ 70 mil. As dívidas vieram com tudo, eu fiquei só com uma loja pequena, não vendia nada e ainda cheio de dívidas. Fiquei mal, tive até depressão", relata o empresário.

No final do ano, o empresário pegou os últimos produtos que tinha e, junto com o novo sócio, deu um gás nas vendas. "A gente arrebentou de vender. E foi aí que aconteceu uma coisa que mudou tudo. Tinha muita gente que sabia da minha proximidade com jogadores e famosos e pedia para entregar para eles algumas roupas de outras marcas. Então, eu pensei em fazer isso com a minha própria marca", afirma Mauricio.

Leia também: Empresária supera infância pobre e fatura R$ 90 milhões com Spa das Sobrancelhas

O empresário apresentou a ideia para o sócio e nasceu a Eleggoá . "Eu já tinha uma ideia do logo e montamos um nome que misturava elegância e ego. Comecei a espalhar a nossa marca para um monte de jogador, cantor, gente famosa que eu ia conhecendo, porque era um meio que já tinha vivido", conta.

Com o aumento das vendas e ajuda de uma ex-namorada, o empresário conseguiu pagar as suas dívidas. "A empresa foi crescendo, o meu sócio fazendo a parte administrativa e eu nas vendas. E fui espalhando a marca entre os famosos, o dia que vi o Gusttavo Lima com a nossa roupa no fantástico, eu vi que tinha virado", comemora o empresário.

O empresário diz que, mesmo com a empresa andando, ele só viu o retorno depois que começou a tocar o negócio sozinho. "Eu me separei do meu sócio e continuei bombando as vendas, sempre levando roupa para jogadores, cantores, mas a coisa deu tão certo que vem um jogador como Vinícius Júnior do Real Madrid e curte e usa minhas roupas. As coisas vão crescendo com isso. Eu tenho essa sorte de estar no lugar certo com as pessoas certas", diz Mauricio.

Ferrugem, Gusttavo Lima, Léo Jaba, Marreta, Vitor Sarro, Turma do Pagode, Pixote e Mc Kekel são alguns dos famosos que levam a roupa e o nome Eleggoá para o mundo todo." Foi muito imporante esse trabalho de divulgar a marca. Teve uma vez que eu peguei 100 camisas sem que meu sócio soubesse e dei para as pessoas. Isso fez a diferença", diz o empresário que hoje tem um showroom Anália Franco e também vende por atacado do escritório que montou em casa.

Consolidado, o ex-jogador afirma que ganha muito mais hoje em dia do que na época de atleta profissional. "Eu sou feliz, realizado. Tenho uma vida tranquila com a minha marca. Antes eu era o Mauricio que não deu certo no futebol, mas agora já sou o cara da Eleggoá e é gostoso ouvir isso e ver que tudo deu certo e que estou realizado", finaliza o empresário.

Ferrugem, Mauricio e Vágner Love
Arquivo pessoal
Ferrugem, Mauricio e Vágner Love


    Leia tudo sobre: empreendedorismo