Tamanho do texto

Atrasos na entrega, problemas com trocas e lei do arrependimento: na véspera da data, confira as informações mais importantes para o consumidor

Antes de aproveitar os descontos e fazer compras na Black Friday, é importante conhecer seus direitos como consumidor
Agência Brasil
Antes de aproveitar os descontos e fazer compras na Black Friday, é importante conhecer seus direitos como consumidor





A Black Friday acontece nesta sexta-feira (23), e milhares de brasileiros estão ansiosos para aproveitar os preços da data, que promete grandes descontos. De acordo com uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil),  seis em cada dez (58%) brasileiros têm a intenção de fazer compras neste dia. Mas será que eles sabem o que fazer depois de adquirir um produto?

Depois de efetuar a compra, o consumidor pode apresentar diversas dúvidas, que vão desde problemas com prazos de entrega a trocas e até mesmo desistências. Para aproveitar a Black Friday com tranquilidade, o Reclame Aqui divulgou informações importantes para que os clientes conheçam seus direitos no período pós-compra.

Confira:

Atraso na entrega

Segundo uma pesquisa feita Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) Conecta, divulgada na quarta-feira (21), 68% dos usuários de internet tem a intenção de realizar alguma compra durante o dia de liquidação. Em caso de compras on-line,  os problemas com prazo de entrega são muito comuns.

De acordo com o Reclame Aqui , é importante "ficar atento ao prezo de entrega prometido pelo site e emitido na nota fiscal da compra", já que esse documento pode ajudar a provar uma eventual falha da empresa. Caso o produto esteja realmente atrasado, seja com alguma justificativa plausível ou apenas por descuido da loja, o cliente pode exigir seu direito de entrega, o ressarcimento do dinheiro pago ou a substituição do produto, caso esteja insatisfeito com o serviço da empresa.

Lei do Arrependimento

Somente no caso de compras pela internet é possível fazer uso dessa lei, já que ela aborda apenas produtos adquiridos fora do estabelecimento, ou seja, em situações em que o cliente não pôde ver o produto de perto. Se a compra foi feita em loja virtual, o prazo para desistir da compra é de até sete dias.

Leia também: Relembre empresas com mais queixas nas últimas edições da Black Friday

Trocas por defeito

Se o produto comprado vier com defeito, o consumidor deve enviá-lo para a assistência do fabricante. Caso o item seja um bem durável, como eletrodomésticos, eletrônicos ou roupas, o prazo para fazer a reclamação é de 90 dias a partir do dia da compra. Já no caso de bens não duráveis, como alimentos, o prazo para entrar em contato com a empresa fabricante é de 30 dias.

Depois de receber o produto com problema, a empresa tem até 30 dias para avaliá-lo. Caso o prazo não seja cumprido e o problema não seja resolvido, o cliente pode pedir a devolução do dinheiro, solicitar a substituição do item por outro igual ou até mesmo por outro produto, com abatimento proporcional do preço.

Trocas por outros motivos

A empresa não é obrigada a trocar produtos por motivo de gosto, cor ou tamanho, a não ser que tenha se comprometido a efetuá-la. Por isso, o Reclame Aqui destaca que é importante conhecer a política de trocas da loja antes de finalizar o pedido. Outro ponto importante é guardar o comprovante da compra.

Produtos comprados de pessoa física

É importante lembrar que em caso de compra de produtos de uma pessoa física, as garantias estabelecidas pelo Código de Defesa do Consumidor não valem, servindo apenas para consumo entre cliente e pessoa jurídica.

Consumidor pode fazer denúncias ao Procon sobre problemas na Black Friday

60 dias antes da Black Friday, o Procon-SP começa a monitorar os preços dos produtos mais procurados
shutterstock
60 dias antes da Black Friday, o Procon-SP começa a monitorar os preços dos produtos mais procurados




Leia também: Site monitora preços e confere se descontos são reais durante a Black Friday

De acordo com a Fundação Procon-SP, o número de queixas registradas na Black Friday de 2017 foi menor do que o contabilizado em 2016. No ano passado, foram 2.091 queixas, contra 2.654 em 2016. A entidade afirma que monitora preços dos produtos mais procurados em lojas físicas e virtuais 60 dias antes do evento, e que o desconto deve ser dado sobre o menor preço dos últimos 60 dias. Em caso de reclamações ou denúncias, os consumidores podem utilizar a ##proconspnablackfriday e os perfis oficiais da Fundação Procon nas redes sociais.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.