Tamanho do texto

Estimativas do Boletim Focus apontam estabilidade na cotação do dólar para 2018 (R$ 3,70), no crescimento do PIB (+1,36%) e para a Taxa Selic (6,5%)

Inflação do ano deve atingir a meta estipulada pelo Banco Central, mostram projeções do Boletim Focus
shutterstock
Inflação do ano deve atingir a meta estipulada pelo Banco Central, mostram projeções do Boletim Focus

Analistas de instituições financeiras reduziram, pela terceira vez consecutiva, as projeções para a inflação deste ano. A informação foi divulgada, nesta segunda-feira (12), pelo Banco Central (BC), por meio do Boletim Focus.

Leia também: Em outubro, número de saques na poupança foi maior do que o de depósitos

De acordo com o relatório, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, deve ficar em 4,23%. Na divulgação da semana anterior, o valor era de 4,40%, uma queda de 0,23 ponto percentual.

A expectativa segue abaixo da meta de inflação estipulada pelo Banco Central para 2018, que é de 4,5%, dentro da margem de erro (que vai de 3% a 6%). Mantendo-se dentro desse parâmetro, a meta anual é atingida.

Para 2019, a meta do BC é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Para os anos seguintes, o valor se mantém estável para 2020, em 4%, e diminui para 2021, atingindo 3,75%.

Leia também: Reforma trabalhista completa um ano com geração de empregos aquém do esperado

Taxa Selic deve permanecer estável, em 6,5% ao ano

Expectativa de inflação menor não altera a Taxa Selic, estável em 6,5%
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Expectativa de inflação menor não altera a Taxa Selic, estável em 6,5%

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros, conhecida como Taxa Selic , elevando ou reduzindo-a conforme a necessidade.

De acordo com o Boletim Focus, a expectativa segue em 6,5% ao ano e deve se manter estável até o final de 2018. Para o próximo ano, há expectativa de aumento da taxa básica, terminando o período em 8% ao ano e permanecendo nesse nível em 2020 e 2021.

O aumento da taxa realizado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) indica a intenção de conter a demanda aquecida, o que causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

A manutenção da taxa básica de juros, como previsto para este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Outras previsões do Boletim Focus

Além do cálculo da inflação, estimativas apontam estabilidade no crescimento do PIB, que deve ser de 1,36% em 2018
shutterstock
Além do cálculo da inflação, estimativas apontam estabilidade no crescimento do PIB, que deve ser de 1,36% em 2018

As estimativas registradas no  relatório da semana passada e no  último realizado em outubro foram mantidos quanto ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens produzidos no País. Para 2018, a expectativa é de 1,36%, enquanto a projeção para os próximos três anos, 2019, 2020 e 2021, é de 2,50%.

Além da soma do PIB e a previsão da inflação , o Boletim Focus também mediu a expectativa para a cotação do dólar, que permanece em R$ 3,70 para 2018 e caiu de R$ 3,80 para R$ 3,76 no término de 2019.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.