Tamanho do texto

Relação Anual de Informações Sociais mostrou que, no ano passado, o saldo de empregos de pretos foi de 35,8 mil, enquanto entre pardos foi de 39,2 mil

Contratação de pretos e pardos cresceu no Brasil nos dois últimos anos, segundo a Rais
Divulgação
Contratação de pretos e pardos cresceu no Brasil nos dois últimos anos, segundo a Rais

A Relação Anual de Informações Sociais (Rais), cadastro administrado pelo Ministério do Trabalho e Emprego, divulgou, nesta terça-feira (30), que o número de empregos formais entre pretos e pardos cresceu no Brasil na relação dos últimos dois anos, 2016 e 2017. O crescimento da contratação de pretos e pardos contraria o momento de desemprego do País,  no mesmo período.

Leia também: Taxa de desemprego cai para 11,9% no terceiro trimestre, a menor do ano

A pesquisa separa a contratação de pretos e pardos entre os dois grupos e em cada ano, mostrando que, em 2017, o saldo de empregos de pretos foi de 35,8 mil, um aumento de 1,87%, enquanto o de pardos ficou em 39,2 mil, variação positiva de 0,32%.

Na população branca, houve redução de 2,54%, com a diferença negativa de 494 mil entre vagas formais criadas e fechadas. Além disso, entre os que se declararam amarelos, foram criadas 14,5 mil vagas a menos, o que representa uma queda de 5,3%.

O saldo de vagas de pretos e pardos caiu de 2016 para 2017, fechando saldo negativo de 123 mil postos. Em 2017, foram registradas empregadas 37,34 milhões de pessoas que se dizem pretas e pardas, contra 37,46 milhões registradas no ano anterior.

Leia também: População que se declara preta cresceu 14,8% nos últimos quatro anos, diz IBGE

Os dados trazem, ainda, o recorte por escolaridade. Neste contexto, o aumento de vagas formais para pretos foi maior entre os que têm nível superior, chegando a 8,6% na comparação entre os dois anos. Entre os pardos, a variação positiva ficou em 2,9%. Na faixa das pessoas com ensino médio, o crescimento de postos com carteira de trabalho foi de 4,3% para pretos e de 1,9% para pardos.

A maior presença de pretos e pardos no mercado de trabalho formal nos últimos anos é um alento, mas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), até novembro de 2017, dois em cada três (63,7%) desempregados no Brasil eram pretos ou pardos.

O dado indica uma taxa de desocupação de 14,6%, enquanto que a taxa da população branca ficou em 9,9%. A proporção de pretos e pardos ocupados (52,3%) foi menor que a da população branca (56,5%) no terceiro trimestre do ano passado, ainda segundo os dados do IBGE.

Leia também: Diferença salarial entre homens e mulheres diminuiu de 2016 para 2017

Por fim, a região Sudeste foi a responsável pela maior parcela da contratação de pretos e pardos. Além disso, os setores que mais cresceram foram, respectivamente, serviços, comércio e indústria de transformação.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.