Tamanho do texto

Políticas em discussão no Congresso preveem maior controle de gastos e redução da inflação; país atravessa uma grave crise cambial desde abril

Violência: de acordo com os veículos locais, manifestantes reunidos em frente ao parlamento teriam atirado pedras contra a polícia, que reagiu com balas de borracha e gás lacrimogêneo
Reprodução/Twitter
Violência: de acordo com os veículos locais, manifestantes reunidos em frente ao parlamento teriam atirado pedras contra a polícia, que reagiu com balas de borracha e gás lacrimogêneo

Nesta quarta-feira (24), manifestantes e polícia entraram em confronto em frente ao Congresso da Argentina, em Buenos Aires, onde deputados discutem o projeto de lei orçamentária para 2019. A proposta pretende implementar medidas de austeridade, isto é, de maior controle de gastos, para o país, que vive uma grave crise econômica.

Leia também: Argentinos dão início à terceira greve geral contra o governo Macri

Dentre as políticas de austeridade em discussão no Congresso argentino, então as propostas de zerar o déficit orçamentário do país no próximo ano, com fortes ajustes de gastos em diversas áreas do governo. Em 2017, a título de comparação, as contas públicas da Argentina registraram um déficit de 3,9% do PIB (Produto Interno Bruto).

O projeto também prevê a redução da inflação estimada em 42% em 2018 para 23% em 2019, além de apostar em uma retração econômica de -2% neste ano e de -0,5% no próximo. Segundo informações da imprensa argentina, o novo orçamento foi elaborado com base em uma taxa de câmbio média de 40,10 pesos (cerca de R$ 4) por dólar.

O protesto contra as políticas de austeridade, porém, não correu de forma pacífica. De acordo com os veículos locais, manifestantes reunidos em frente ao parlamento teriam atirado pedras contra a polícia, que reagiu com balas de borracha e gás lacrimogêneo.

No Twitter, muitos argentinos também usaram as hashtags #NoAlPresupuesto e #NoAlPresupuestoDelFMI para protestar. Em seu perfil, o deputado Roberto Salvarezza, do partido Unidad Ciudadana, se posicionou contra os ajustes austeros, condenando as repressões sofridas pelos manifestantes.


Contra a crise, austeridade

Por ora, a prioridade do governo de Maurício Macri, que está prestes a assinar um segundo acordo de apoio financeiro com o FMI, é aprovar políticas econômicas mais austeras para o ano que vem
Antonio Cruz/Agência Brasil
Por ora, a prioridade do governo de Maurício Macri, que está prestes a assinar um segundo acordo de apoio financeiro com o FMI, é aprovar políticas econômicas mais austeras para o ano que vem

A Argentina, do presidente  Maurício Macri , vive uma crise cambial desde abril – e até agora não conseguiu contê-la. Em junho, o país acordou um apoio financeiro de US$ 50 bilhões (R$ 186,5 bilhões) por parte do FMI (Fundo Monetário Internacional), a ser pago até 2021. No mês passado, porém, o resgate foi ampliado para US$ 57,1 bilhões (R$ 212,9 bilhões).

Leia também: Brasil e Chile concluem negociações para acordo de livre comércio

Agora, a prioridade do governo de Macri, que está prestes a assinar esse segundo acordo, é aprovar um orçamento mais austero para o ano que vem. Isso porque a Argentina prometeu, em contrapartida ao apoio do FMI, alcançar o equilíbrio nas contas já em 2019, um ano antes do previsto anteriormente. O país também espera chegar a um superávit primário de 1% do PIB em 2020.

Greve dos caminhoneiros

Nesta quarta-feira (24), a Federação dos Transportes da Argentina (FETRA) deu início a uma greve nacional indefinida em protesto contra a inflação, estimada em 42% para 2018, e os impostos de exportação
Reprodução/Twitter
Nesta quarta-feira (24), a Federação dos Transportes da Argentina (FETRA) deu início a uma greve nacional indefinida em protesto contra a inflação, estimada em 42% para 2018, e os impostos de exportação

Mais hermanos do que nunca: hoje, a Federação dos Transportes da Argentina (FETRA) deu início a uma greve nacional indefinida em protesto contra a inflação e os altos impostos de exportação. Segundo informações da Agência Reuters , o sindicato está exigindo um aumento nas taxas para os transportadores de grãos depois que o governo anunciou que espera inflação de 42% em 2018.

Apesar de a paralisação deter caminhões de grãos no principal porto de Rosario, responsável por 80% das exportações do país, a greve ainda não afetou o envio dos insumos para o exterior. Paralelamente, um representante da FETRA afirmou que, embora não haja previsão para o encerramento da greve, o grupo está conversando com as autoridades nacionais.

Leia também: China cortará impostos para estimular empresas e reaquecer economia

A Argentina é um importante fornecedor de trigo, especialmente para o vizinho Brasil. Segundo a Bolsa de Grãos de Rosario, a safra de 2018/2019 começará nas próximas semanas e deverá render 19 milhões de toneladas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.