Tamanho do texto

Disputas entre Estados Unidos e China, somadas a dificuldades financeiras em países emergentes, faz o fundo cortar expectativas de crescimento global

Tensões comerciais, como as geradas pelo Brexit, causam riscos à estabilidade econômica
Ilovetheeu
Tensões comerciais, como as geradas pelo Brexit, causam riscos à estabilidade econômica

O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nessa quarta-feira (9), em sua atualização bianual de estabilidade financeira global, que os riscos ao sistema financeiro mundial aumentaram nos últimos seis meses e podem crescer ainda mais se as pressões nos países emergentes se ampliarem ou as tensões comerciais globais se agravarem, cortando as expectativas de crescimento global.

Leia também: FMI reduz previsões de crescimento do PIB do Brasil para 2018 e 2019

Desde a crise financeira global de 2008, a estabilidade financeira estava sendo sustentada por reguladores, mas agora 'condições financeiras frouxas' contribuem para o aumento dos potenciais problemas relacionados aos altos níveis de dívida. As tensões comerciais entre os principais mercados também resultam em incertezas na economia mundial.

Novos regimes de resolução bancária não são testados, e, desse modo, os riscos de curto prazo cresceram, conforme avalia o FMI. "No geral, os participantes do mercado parecem complacentes sobre o risco de um forte aperto nas condições financeiras" disse o fundo.

Segundo a atualização, o crescimento parece ter atingido um pico em importantes economias, enquanto a diferença entre potências e países emergentes cresce cada vez mais. Fluxos de saída de até 100 bilhões de dólares, nível ainda não atingido na década, podem gerar preocupações e novas crises em mercados emergentes.

Tensões comerciais globais aumentam riscos

Tensões comerciais entre EUA e China aumentam riscos à economia global
Divulgação/Twitter/Potus
Tensões comerciais entre EUA e China aumentam riscos à economia global





As tensões nas relações comerciais entre EUA e China, principais economias do mundo, tiveram seu estopim quando os americanos impuseram tarifas de 25% sobre a importação de aço e 10% sobre o alumínio de vários países. A medida mirou a China, mas atinge outras economias, inclusive a brasileira. Donald Trump, presidente dos EUA, pretende reduzir em pelo menos US$ 100 bilhões o rombo da dívida chinesa.

Leia também: Embaixadora dos EUA na ONU renuncia ao cargo pouco mais de um ano e meio depois

A disputa comercial, que já se arrasta por anos e se acentuou no governo de Trump, traz uma série de riscos a economias de outros países e poderia, inclusive, gerar uma guerra comercial, que segundo especialistas tenderia a levar o mundo à profunda recessão.

A possibilidade de um "não-acordo" do Brexit também gera instabilidade na zona do euro, sobretudo com países endividados e preocupados com as novas políticas fiscais que seriam adotadas pelos britânicos.

Leia também: O que propõem Fernando Haddad e Jair Bolsonaro para a economia

Uma série de outros riscos de curto prazo à estabilidade financeira global são listados, mas as tensões comerciais são trazidas como principal fator e potencial agravador das dificuldades de crescimento econômico global, que afetam especialmente países pobres e/ou emergentes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.