Tamanho do texto

A principal influência do resultado é a alta do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), fortemente impactado pelos preços no atacado e no varejo, que passou de 0,95%, na prévia de agosto, para 1,95%, na prévia de setembro

Índice Nacional de Custo da Construção foi o único subgrupo que desacelerou no IGP-M
Thinkstock/Getty Images
Índice Nacional de Custo da Construção foi o único subgrupo que desacelerou no IGP-M

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), conhecido por ser a inflação utilizada para fazer o reajuste de aluguel, registrou uma inflação de 1,34% na segunda prévia de setembro. Com essa marca, o indicador acumula taxas de 8,09% no ano e de 9,83% em 12 meses.

De acordo com o balanço, a taxa é consideravelmente superior ao 0,67% da segunda prévia de agosto, resultado este que ficou bem próximo do IGP-M mensal de agosto, quando a marca calculada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) ficou em 0,70% .

Dois dos três subíndices que compõem o IGP-M tiveram crescimento

Após não variar em agosto, categoria de bens finais avança 0,63% em setembro no IGP-M
Marcos Santos/USP Imagens
Após não variar em agosto, categoria de bens finais avança 0,63% em setembro no IGP-M

A alta sobre a inflação utilizada para reajuste de aluguel  é reflexo da alta de preços ao produtor e ao consumidor. Ou seja, dois dos três subíndices que compõem o indicador apresentaram variação positiva, enquanto que os custos da construção tiveram queda.

A principal influência do resultado geral é a alta do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), fortemente impactado pelos preços no atacado e no varejo, que passou de 0,95%, na prévia de agosto, para 1,95%, na prévia de setembro.

A taxa de bens finais também teve relevância para o indicador, uma vez que subiu 0,63% em setembro e não variar em agosto. Sendo assim, a maior contribuição para este resultado partiu do subgrupo dos combustíveis para consumo, que acelerou de 0,24% para 6,58%.

Leia também: Devo comprar ou alugar um imóvel? Descubra qual das opções é mais vantajosa

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,16% em setembro, no segundo decêndio de setembro, ante 0,05%, no mesmo período de agosto, uma vez que cinco das oito classes que compõem o indicador registraram acréscimo.

A principal contribuição partiu do grupo educação, leitura e recreação, que passou de uma deflação de 0,46% para a taxa positiva de 0,47%.

Os grupos alimentação (-0,28% para -0,11%), transportes (-0,05% para 0,09%), vestuário (-0,40% para 0,20%) e despesas diversas (0,20% para 0,42%) também influenciaram o resultado positivo do IPC.

Em contrapartida, apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos habitação (0,54% para 0,31%), saúde e cuidados pessoais (0,35% para 0,24%) e comunicação (0,01% para 0,00%).

Leia também: Estimativa para a inflação chega a 4,09% e a do PIB cai para 1,36%, aponta Focus

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), o único subíndice do IGP-M que desacelerou a inflação, variou 0,19% em setembro, enquanto que, no mês anterior, havia subido 0,36%. E o principal responsável foi o grupo de materiais, equipamentos e serviços que subiu 0,41% em setembro, resultado abaixo do apurado em agosto, quando foi de 0,79%.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.