Tamanho do texto

Com a notícia sobre a fraude, um mercado de peixes concorrente brincou com a situação, dizendo que vende pescados “sem cirurgia plástica”; confira

Mercado colocava olhos de plástico quando encontrava peixe estragado; a foto foi tirada por um consumidor enganado
Reprodução
Mercado colocava olhos de plástico quando encontrava peixe estragado; a foto foi tirada por um consumidor enganado

Um dos principais ‘truques’ para não levar um peixe estragado para casa é prestar atenção nos olhos. Caso estejam brilhantes, é sinal de que a carne está fresca e boa para o consumo. Agora, se eles estiverem esbranquiçados... mau sinal.

Leia também: Salões de beleza de luxo de São Paulo são autuados por uso de produtos vencidos

Acontece que um mercado de frutos do mar no Kuwait foi fechado esta semana porque enganava consumidores "maquiando" os olhos dos pescados. Segundo o site internacional Al Arabiya , quando os comerciantes viam que havia um peixe estragado no estabelecimento, colocavam olhos de plástico nele para enganar clientes e, assim, conseguirem fazer a venda do produto adulterado.

A fraude foi descoberta por um consumidor logo depois de comprar o peixe. Ao chegar em casa, começou a limpá-lo e, então, percebeu que o olho "esbugalhado" começou a escorregar pela carne. Assim, decidiu tirar fotos para provar que tinha sido enganado.

Depois de desmascarado, o estabelecimento foi fechado. Um mercado de peixes concorrente brincou com a situação e anunciou que vendia apenas peixes “sem cirurgia plástica”.

Outro caso envolvendo peixe estragado

Estabelecimento que vendia peixe estragado com olhos falsos foi fechado
Reprodução/New England Journal of Medicine
Estabelecimento que vendia peixe estragado com olhos falsos foi fechado

Outro caso relacionado a peixes  chamou a atenção na última semana. Um sul-coreano de 71 anos sofreu graves complicações após comer um peixe cru , que o fizeram ter de amputar mão e antebraço.

De acordo com o  Daily Mail , horas depois de consumir a refeição, o idoso sentiu inchaço nos membros superiores e ainda notou o surgimento de bolhas e hematomas. Os médicos relataram que, inicialmente, drenaram as bolhas e removeram o tecido infectado, liberando o homem para realizar um tratamento à base de antibióticos em casa.

Contudo, depois de algumas semanas, o paciente retornou ao hospital localizado em Jeon, Coreia do Sul, com fortes dores e febre, além de apresentar nova bolha mau cheirosa na mão com o tamanho de uma bola de golfe. 

A equipe médica afirmou que a infecção foi potencializada por uma bactéria conhecida como Vibrio vulnificus  (ou vibrião), e que, devido ao apodrecimento das áreas afetadas, realizaram um procedimento cirúrgico para a amputação de todo o membro atingido. 

Leia também: Procon autua oito empresas e descarta 1,2 tonelada de alimentos impróprios

Vale destacar que o caso não necessariamente se relaciona com o consumo de peixe estragado , mas, sim, com o de frutos do mar portadores da bactéria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.