undefined
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Empresários dos setores do comércio e serviços promoveram evento com Fernando Haddad e outros candidatos

Os presidenciáveis Geraldo Alckmin (PSDB), Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB), Ciro Gomes (PDT) e o candidato à vice-presidência Fernando Haddad (PT), representando o candidato  Luiz Inácio Lula da Silva , participaram do evento "Diálogo Eleitor Unecs" nessa terça-feira (14), promovido pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unescs), composta por oito instituições dos setores.

No encontro, os presidenciáveis apresentaram suas propostas para a retomada da economia, especialmente para a modernização do ambiente de negócios para uma plateia de empresários dos setores de comércio e de serviços. Confira como foi o debate com Fernando Haddad (PT):

Fernando Haddad defende reforma do sistema bancário

undefined
Wilson Dias/Agência Brasil
Fernando Haddad disse que programa do PT defende isenção do IR para quem recebe menos de cinco salários mínimos

De acordo com Haddad, se o PT foi eleito, uma das primeiras medidas da administração será a reforma do sistema bancário para que os juros ao crédito sejam diminuídos.

Ao falar sobre a eventual medida, o ex-prefeito de São Paulo antecipou que "isso não virá sem dor para os banqueiros".

"Vamos ter que conviver por muito tempo com quatro ou cinco bancos respondendo por 80%, 90% do crédito. Teremos que mudar a legislação tributária dos bancos: quanto mais cobrar de spread [bancário], mais impostos terá de pagar", apontou.

Assim como presidenciáveis de outros partidos, Haddad defendeu a reforma tributária , com a adoção do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) para destravar a economia.

Porém, o candidato à vice-presidência pontuou que, em um eventual governo, o PT defenderá a isenção do Imposto de Renda para pessoas que ganham até cinco salários mínimos.

Questionado sobre a responsabilidade fiscal, Haddad criticou a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, argumentando que ela inviabiliza a gestão pública e os investimentos públicos.

Para ele, "não faz sentido manter o Estado congelado por 20 anos . Ele precisa ter alguma folga orçamentária para permitir que, com gastos eficientes e transparentes, busquemos produtividade na infraestrutura".

Por outro lado, quando questionado sobre a reforma da Previdência, Haddad não apresentou um 'veredito', apenas afirmou que, para o partido, primeiramente o tema deve ser discutido com a população por meio de mesas redondas com governadores e prefeitos, assegurando que o programa de governo do PT não “penalize os mais pobres”.

Sobre geração de empregos, Fernando Haddad  destacou que o plano de governo do PT prevê a retomada de obras paradas de programas, como o "Minha Casa, Minha Vida", para empregar por meio da construção civil no curto prazo.

*Com informações da Agência Brasil

    Leia tudo sobre: Lula

    Veja Também

      Mostrar mais