Tamanho do texto

Latam, Gol e Azul, as três principais companhias aéreas que atuam no Brasil, anunciaram planos de contingência por conta da greve dos caminhoneiros

Brasil Econômico

Por conta da falta de combustível, companhias aéreas estão com problemas para manter decolagens em dia
shutterstock
Por conta da falta de combustível, companhias aéreas estão com problemas para manter decolagens em dia

As principais companhias aéreas  que atuam no país emitiram notas nesta quarta (23) e quinta-feira (24) anunciando planos de contingência em função da greve dos caminhoneiros que tem dificultado o acesso ao combustível e provocado dificuldades no abastecimento das aeronaves em vários aeroportos de todo país.

Leia também: Dólar, etanol, impostos e mais: Veja como preços dos combustíveis são calculados

Em nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que, apesar da escassez de combustível nos aeroportos, “todos os voos que estão em operação seguem abastecidos dentro do estabelecido pelos regulamentos da Agência”. Ainda assim, Latam, Gol e Azul, que juntas reúnem 86,6% do mercado em passageiros-quilômetros transportados, anuciaram medidas extraordinárias para seus clientes.

A Latam  anunciou que, ciente das dificuldades enfrentadas pelos passageiros, está fazendo todo o possível para minimizar os impactos aos seus clientes e por isso "flexibizará suas regras, oferecendo isenção da cobrança de taxa de remarcação e das diferenças tarifárias da passagem para nova data à escolha do cliente e, sem multas, em voos domésticos com partidas, chegas ou conexões programadas para os aeroportos de Brasília, Goiânia, Ilhéus, Recife e Teresina", alguns dos mais prejudicados pelo desabastecimento, para o dia de hoje (24).

Já a GOL  publicou comunicado em seu site oficial recomendando a todos os clientes com viagens previstas para hoje (24) verificarem a situação de seus voos antes de sairem de casa. A empresa reiterou que "está trabalhando para manter sua operação dentro da normalidade, evitando eventuais cancelamentos" e ressaltou que "segue os mais rigorosos padrões de segurança". Sendo assim, colocou seus canais de atendimento à disposição dos passageiros.

Por fim, a Azul  liberou a remarcação de passagens sem cobrança extra para voos programados até o dia 31 de maio em todos os aeroportos do Brasil. De qualquer forma, a companhia comunicou que "suas operações estão acontecendo normalmente e seguimos trabalhando para manter a programação de seus voos."

Leia também: Congonhas e mais quatro aeroportos só têm combustível até hoje, alerta Infraero

Desabastecimento nos aeroportos

Na manhã de terça-feira (22), segundo dia da greve dos caminhoneiros, um relatório divulgado pela Infraero alertou sobre a situação aérea do País por causa da paralisação dos caminhoneiros e do bloqueiro das distribuidoras de combustível. Segundo o documento, os aeroportos de Congonhas (São Paulo), Palmas (Tocantins), Recife (Pernambuco), Maceió (Alagoas) e Aracaju (Sergipe) teriam ficado sem combustível até o fim do dia de ontem.

Além disso, outro seis aeroportos estavam em situação semelhante com combustível suficiente para, no máximo, apenas mais dois dias, sendo eles:  Goiânia (Goiás), Teresina (Piauí), Campo Grande (Mato Grosso do Sul), Ilhéus (Bahia), Foz do Iguaçu (Paraná) e Londrina (Paraná). Sendo assim, caso a greve persista, não é difícil imaginar que mais problemas serão enfrentados pelos passageiros que dependende da aviação nacional.

Por enquanto, o aeroporto de Brasília é o único que anunciou que, por conta do desabastecimento, só poderão pousar aviões que tenham combustível suficiente para decolar novamente.

O relatório, vale destacar, divulgado pelo Núcleo de Acompanhamento e Gestão Operacional (Nago) só revela a situação dos aeroportos controlados pela Infraero. Os aeroportos particulares ou sob concessão divulgam seus dados separadamente.

A Anac, porém, anunciou hoje (24) que está acompanhando "em tempo real" o abastecimento de combustível dos aeroportos e possíveis impactos às operações. A Agência garantiu que "os regulamentos da Anac estão amparados internacionalmente e regulam o cálculo a ser feito conforme a rota, a reserva mínima a ser observada, além de instruções sobre a operação que podem alterar o cálculo do combustível." Além disso, a Anac afirmou que "todas as medidas estipuladas nas operações visam a segurança operacional dos voos, que é a nossa prioridade."

Contatos das companhias aéreas

Independente de qual seja o seu voo, se você está com passagem marcada para os próximos dias, vale chegar a situação dos aeroportos por onde você vai passar, além de eventuais atrasos ou remarcações do seu voo. Abaixo, os canais de comunicação das principais companhias áereas brasileiras:

LATAM: 4002-5700 e 0300 570 5700 ( www.latam.com )
Gol: 0300 115 2121 e 0800 704 0465 ( www.voegol.com.br )
Azul: 4003-1118 e 0800 887 1118 ( www.voeazul.com.br )
Avianca: 4004-4040 e 0800-286-6543 ( www.avianca.com.br )

Leia também: Aeroportos de Campinas e Curitiba são eleitos melhores do País pelos passageiros