Brasil Econômico

Brasil Econômico

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, disse estar confiante em relação ao andamento da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Para ele, o texto deverá avançar ainda este ano por conta de sua importância para as contas públicas. Segundo o ministro, o projeto visa diminuir discrepâncias no pagamento de benefícios com a finalidade de reduzir o deficit. 

Leia também: Mulheres gastam quase o dobro do tempo dos homens com tarefas domésticas

"Há um foco de redução de privilégios, de exageros. Estou muito mais otimista do que nove meses atrás. A adesão a reforma vai crescer. Acredito na aprovação neste ano", disse Oliveira, quando perguntado sobre a tramitação da reforma da Previdência . "Vejo hoje, nas conversas com parlamentares, que há uma compreensão da necessidade da reforma. Com as alterações que foram feitas, os principais pontos críticos foram retirados".

undefined
Helano Stuckert/Ministério do Planejamento - 22.11.17
Para Dyogo Oliveira, reforma da Previdência será aprovada pela Câmara dos Deputados ainda este ano

Leia também: Heineken abre vagas de estágio e oferece vale-cerveja mensal como benefício

Entre as questões polêmicas citadas pelo ministro, estão as alterações na aposentadoria rural, no benefício de prestação continuada e nos 25 anos de contribuição obrigatória para se aposentar. Para Oliveira, o pacote de reforma que atualmente está em discussão no Congresso é "palatável do ponto de vista político".

Nesta quarta-feira (6), o presidente Michel Temer reuniu 19 ministros, mais deputados e senadores da base aliada e líderes de partido. Realizada no Palácio do Alvorada, a reunião para discutir a reforma contou com mais de 47 presentes. Para o ministro do Planejamento, que participou do jantar, a discussão foi "positiva", apesar de considerar o processo político "complexo".

"Evidentemente, não se teve possibilidade de definir claramente a agenda. As avaliações vão prosseguir até que haja clareza", disse. Ele afirmou, ainda, que o calendário de votação é uma decisão da própria Câmara. "Há engajamento do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, dos líderes", destacou. Segundo o ministro, caso a reforma não seja aprovada, a dívida pública estará em torno de 100% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021.

Leia também: Aluguel em bitcoin? Aplicativo permite pagamento da despesa com moeda digital

"Com a reforma, se estabiliza em 80% do PIB", afirmou. Segundo ele, a aprovação da reforma da Previdência irá contribuir com o crescimento da economia e a queda dos juros. "É preciso ter clareza que a melhora do ambiente econômico está intimamente ligada à agenda de reformas”, afirmou.

* Com informações da Agência Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários